DATA LIMITE PARA ENVIO DOS TEXTOS APRESENTADOS NO IV SIMPÓSIO: 10 DE DEZEMBRO DE 2018

Caros participantes,

 

A data para envio dos textos apresentados no IV SIMPÓSIO DE LITERATURA NEGRA IBERO-AMERICANA foi extendido até o dia 10 de dezembro do corrente ano.

As normas se encontram nos posts anteriores.

 

Saudações acadêmicas, Rodrigo V Machado/Coordenador  do Simpósio

 

 

Advertisements

PROGRAMAÇÃO DO IV SIMPÓSIO DE LITERATURA NEGRA IBERO-AMERICANA

PROGRAMAÇÃO

06/11/2018 [TERÇA-FEIRA]

MANHÃ. Local: auditório anfiteatro 100/ 1º andar/UFPR- rua General Carneiro, 460

8:45 – REGISTRO DOS PARTICIPANTES:

9:00: Abertura do IV Simpósio de Literatura Negra Ibero-americana:

Prof. Dr. Rodrigo Vasconcelos Machado/Coordenador do Simpósio.

9:00/10:20 Mesa redonda 1: – Literaturas afro-ibero-americanas em relação: Ana Beatriz Rodrigues Gonçalves/UFJF: De María a Afuera crece un mundo: representações africanas na literatura colombiana;  Rodrigo Vasconcelos Machado/UFPR: Levántate mulato! Manuel Zapata Olivella e a mestiçagem e  Uruguay Cortazzo Gonzalez/UFPel: Literatura euro-brasileira vs. literatura afro-brasileira? A polêmica Gullar-Cuti.

10:30/12:00- Palestra com Oswaldo de Camargo: PRESENÇA DA ÁFRICA NA LITERATURA BRASILEIRA: A  PALAVRA  DE PRETOS, NESTE PAÍS, EM UMA TRAJETÓRIA DE RESISTÊNCIA

Lançamento do livro:Lino Guedes- seu tempo e seu perfil e Luz & Breu – Antologia Poética

12:30/14:00 –Almoço

TARDE.

14:00/15:00 – Sessões de Comunicações I. Local: Sala 1000. E.D. Pedro I – 10º andar. R. General Carneiro, 460

A mestiçagem religiosa no romance “Compadre de Ogum” de Jorge Amado: Leonardo Mendes Gonçalves/UFJF

– Apontamentos sobre Identidade cultural na obra de Silviano Santiago: Ana Karla Canarinos/UNICAMP;

– Affonso Ávila e o barroco negro: Josoel Kovalski/UFPR

 

16:00/18:30. Local: Sala Homero Barros, Rua General Carneiro, 460, 1º andar. UFPR/REITORIA  Mesa redonda 2 Literatura Infantil de temática Africana e Afro-Brasileira

Débora Cristina de Araújo/UFES: Tendências da produção literária infantil e juvenil de temática da cultura e identidade negra; Paulo Vinicius Baptista da Silva/UFPR: Fabulário da Etiópia, circulação de fábulas e sua transposição para livros na África Negra; Heloisa Pires Lima (antropóloga, escritora e editora): Literatura negra e infância.

Lançamento de Livros e COQUETEL DO NEAB-UFPR, Márcia Evelim de Carvalho e Heloisa Pires Lima. Local: HALL DO 1º andar. UFPR/REITORIA, Rua General Carneiro, 460, 

Racismo, discurso e Educação: estratégias ideológicas; Paulo Vinicius Baptista da Silva; Débora Oyaymi Araújo e Welligton Oliveira dos Santos (Organizadores). Curitiba: NEAB-UFPR, 2018.

Pesquisas de Acadêmicos/as do Afirmação na Pós: Contranarrativas e descolonização. Luis Thiago Freire Dantas e Mariana Panta (organizadores). Curitiba: NEAB-UFPR, 2018.

Educação das relações étnico-raciais: O Estado da Arte. Paulo Vinicius Baptista da Silva, Kátia Regis e Shirley Aparecida de Miranda (organizadores). Curitiba: NEAB-UFPR, 2018.

Roteiros temáticos da Diáspora. Caminhos para o enfrentamento ao racismo no Brasil. Andrea Maila Voss Kominek e Ana Cristina Vanali (organizadoras).

Lendas da África Moderna, editora Elementar e O pescador de histórias, editora Melhoramentos,  de Heloisa Pires Lima

O segredo da chita voadora, de Márcia Evelim de Carvalho, 2018.

 

07/11/2018 [QUARTA-FEIRA]:

MANHÃ. Local: auditório anfiteatro 100/ 1º andar/UFPR- rua General Carneiro, 460

9:30/11:00 Palestra com o jornalista Tom Farias: Biografia da escritora Carolina Maria de Jesus. 

11:15/12:00- Lançamento do song book Memória, saudade, papel e Lápis, de Jazomar Vieira da Rocha/UFTPR

12:00/14:00 –Almoço

TARDE

15:00/17:30. Mesa redonda 3: Revisitando a mestiçagem.  Felipe Fanuel Xavier Rodrigues/FTESM: “Tradição e identidade negras na periferia literária da democracia racial”; Daviane Moreira e Silva-UFG/Jataí: “Édouard Glissant, a rota da crioulização como alternativa à mestiçagem” e Anelito de Oliveira/UNIMONTES: “Da razão mestiça: o pensamento transracial de André Rebouças”.

Lançamento de livros: “O iludido” (Narrativas, Páginas Editora, 2018) e “Traços” (Poemas, Editora Patuá, 2018), de Anelito de Oliveira.

Local: auditório anfiteatro 100/ 1º andar/UFPR- rua General Carneiro, 460

 

08/11/2018 [QUINTA-FEIRA]

MANHÃ. Local: Sala Homero Barros, Rua General Carneiro, 460, 1º andar. UFPR/REITORIA

09:00/12:00Mini curso: “Imaginarios raciales: cultura y literatura”, Uruguay Cortazzo/UFPEL

TARDE

14:30/15:30- Palestra  Odete Menon/UFPR:  Duas descrições seiscentistas da Guiné. Local  Sala 924/9º andar E.D. Pedro I – R. General Carneiro, 460.

15:30/18:30 –SESSÕES DE COMUNICAÇÕES II – Local: Sala 924/9º andar E.D. Pedro I – R. General Carneiro, 460.

GRUPO 1

– A experiência da concha exposta na escrevivência das escritoras afro-brasileiras, Maria Firmina dos Reis, Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo: Sueli de Jesus Monteiro/IFPR;

– Gênero e Mestiçagem na ensaística de Conceição Evaristo: Antoniele de Cássia Luciano/UFPR;

Maria Firmina dos Reis: ocupando seu “lugar de fala” na história da literatura brasileira: Elisangela de Farias/ UFPR;

– As narrativas autobiográficas de Carolina Maria de Jesus: confluências entre a literatura e a história: Pedro da Silva de Melo-FFLCH/USP

 

GRUPO 2

Buscando marido a una mulata: um conto de Cristina Bajo para (re) pensar a história a partir do protagonismo negro: Phelipe de Lima Cerdeira/UFPR;

Estudos literários e cultura afro-uruguaia: breve ensaio sobre la diosa y la noche, de Jorge Chagas:Thiago André Lisarte Bezerra UFPR;

– Análise das obras Comment faire l’amour avec um nègre sans se fatiguer, Vers le sud e Je suis un écrivain Japonais de Dany Laferrière, a partir da ótica da mestiçagem: Marcos Vidal da Silva Junior / UFPR;

– Confissões em Maíra: apontamentos da escrita etnográfica ficcional: Vanessa Aparecida de Almeida Gonçalves Oliveira/UFJF.

15:30/18:30 –SESSÕES DE COMUNICAÇÕES III – Local: Sala 1000. E.D. Pedro I – 10º andar. R. General Carneiro, 460

Grupo I

– “Recordar es algo esquivo y necesario”: ecos da mestiçagem em Marta Quiñónez: Marcela Batista Martinhão/UFJF;

– A poesia brasileira contemporânea e a hibridização de linguagens: Diamila Medeiros dos Santos/UFPR;

– El negro en la poesía de Federico García Lorca: Poeta en Nueva York: Wagner Monteiro Pereira/UFPR- USP;

A questão da mestiçagem e escravidão em Invenção de Orfeu de Jorge de Lima: Rafael Iatzaki Rigoni/UFPR.

Grupo 2

– A desmitificação do luso-tropicalismo em Caderno de memória colonial: Lucas Esperança da Costa/UFJF;

– A Mestiçagem no Quilombo de Palmares: Karla Cristina Eiterer Rocha/UFJF;

– Contar histórias com o corpo: um dispositivo de afetação da história da África e cultura afro-brasileira: Márcia Evelim de Carvalho/UESPI-UEMA;

Qual a cor do negro nos livros de Literatura Infantil? Cristiane Veloso de Araujo Pestana/UFJF.

 

 

09/11/2018 [SEXTA-FEIRA]

MANHÃ.  Local: Sala 1000. E.D. Pedro I – 10º andar. R. General Carneiro, 460

9:30/11:30. Palestra BARROCO E MISCIGENAÇÃO: RAÍZES DO BRASIL, Rubem Barbosa Filho/UFJF.

ENCERRAMENTO DO SIMPÓSIO.

 

 

IV SIMPÓSIO NACIONAL DE LITERATURA NEGRA IBERO-AMERICANA

 

EMENTA DO EVENTO: Este simpósio tem como objetivo pensar a problemática da mestiçagem desde a ótica Negra, Indígena, Branca e Mestiça, bem como refletir sobre as causas da sua presença em quase todos os âmbitos da cultura e da sua adoção por parte da comunidade intelectual Ocidental. Portanto, esta proposição do debate da mestiçagem admite diferentes pontos de vista de acordo com a perspectiva étnica adotada, e, além disso, coloca o problema de por que uma questão especificamente ibero-americana e, por extensão, de países que passaram por alguma forma de dominação colonial está ultrapassando os limites geográficos e culturais.

COORDENADOR: PROF. DR. RODRIGO VASCONCELOS MACHADO/UFPR

DE 6 A 9 DE NOVEMBRO DE 2018, CURITIBA/PR-BRASIL

 

IDIOMAS DO EVENTO: ESPANHOL E PORTUGUÊS

 

 

RESULTADOS ESPERADOS DO EVENTO: PUBLICAÇÃO COMPLETA EM E-BOOK DOS TEXTOS SELECIONADOS PELO COMITÊ CIENTÍFICO DO EVENTO COM ISBN E FICHA CATALOGRÁFICA.

APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES: EM ESPANHOL OU PORTUGUÊS. TITULAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA: MESTRADO NA ÁREA DE LETRAS E/OU HUMANAS [EM CURSO]. APRESENTAÇÃO INDIVIDUAL SEM CO-AUTORIA.

PESQUISADORES E PROFESSORES COM APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÃO: [TITULAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA: MESTRANDO]

OUVINTES: GRATUITO. INSCRIÇÃO NA ABERTURA DO EVENTO -75% DE FREQUÊNCIA

ENVIO DOS RESUMOS E INSCRIÇÃO DE OUVINTES PARA OS SEGUINTES EMAILS:

rvmachado@yahoo.com         e   machadeira@gmail.com

 

PRAZO PARA ENVIO DOS RESUMOS: 28 DE SETEMBRO.

 

ENVIO DOS TEXTOS COMPLETOS APRESENTADOS PARA PUBLICAÇÃO NA VERSÃO ELETRÔNICA: 01 DE DEZEMBRO.

 

PRAZO PARA ENVIO DOS TEXTOS SELECIONADOS :

20 DE DEZEMBRO.

Normas para os resumos:

  • Cada participante só poderá enviar uma proposta de comunicação;
  • Todos os autores devem ter conhecimento das normas, do conteúdo do resumo e concordar em ter seu nome inserido;
  • Antes que o resumo seja enviado, sugerimos que os autores façam rigorosa revisão gramatical, ortográfica, de digitação, de conteúdo e dados da pesquisa (incluindo título, nomes dos autores e demais dados), pois NÃO  será possível corrigir o resumo após seu envio. Os dados serão publicados exatamente como enviados;
  • O resumo poderá ser escrito em português ou espanhol;
  • Os resumos serão avaliados pela Comissão Científica e poderão ser recusados caso não atendam as exigências da proposta do evento;
  • A palavra “Resumo” em corpo 12, negrito e em maiúsculas, duas linhas abaixo do nome do autor/instituição e em nota de rodapé uma pequena biografia do autor/a com instituição, titulação, etc.  O texto-resumo deverá ser apresentado em itálico, corpo 12, com recuo de dois centímetros de margem direita e esquerda. O resumo deve ter no mínimo 8 linhas e no máximo 12.

 

 

Normas para os textos:

TAMANHO DE 13 A 20 PÁGINAS

TIMES NEW ROMAN 9

TÍTULO: NEGRITO, ITÁLICO, SEM CAIXA ALTA E CENTRALIZADO.

AUTOR: ALINHAMENTO À ESQUERDA SEM CAIXA ALTA COM A INSTITUIÇÃO DE ORIGEM. COLOCAR NOTA DE RODAPÉ COM UMA PEQUENA BIBLIOGRAFIA E TITULAÇÃO ACADÊMICA

CORPO DO TEXTO: PARÁGRAFOS 1,25. ESPAÇO SIMPLES.

RECUO À ESQUERDA: 2,5 cm

RECUO À DIREITA: 2,5 cm

NÃO INSERIR NÚMEROS DE PÁGINAS

Subtítulos: sem adentramento, em negrito, só com a primeira letra em maiúscula, numerados em algarismo arábico. A numeração não inclui a introdução, a conclusão e a referência bibliográfica;

Tabelas e ilustrações (fotografias, desenhos, gráficos etc.) devem vir dentro do padrão geral do texto e no espaço a elas destinados pelo autor. Recomenda-se o uso de imagens em 72 px de resolução. Evitar o uso de imagens em grandes dimensões;

Notas – devem ser evitadas. Quando necessário, devem aparecer ao pé da página, numeradas de acordo com a ordem de aparecimento. Corpo 8.

Ênfase ou destaques no corpo do texto – deve-se usar negrito. Para palavras em língua estrangeira, usar itálico.

Obras [teóricas, literárias, revistas, etc]: em Itálico no corpo do texto. Nas referências bibliográficas em itálico ou negrito.

Citações de até três linhas vêm entre aspas, (sem itálico), seguidas do sobrenome do autor (em maiúsculas), ano de publicação e página(s). Com mais de 3 linhas, vêm com recuo de 4,5 cm na margem esquerda, corpo menor (fonte 8), sem aspas, sem itálico e também seguidas do sobrenome do autor (em maiúsculas), ano de publicação e página(s). As citações em língua estrangeira devem vir em itálico e traduzidas em nota de rodapé.

Anexos devem ser evitados. Caso existam, devem ser colocados antes das referências bibliográficas, precedidos da palavra ANEXO, em maiúsculas e negrito, sem adentramento e sem numeração. Quando constituírem textos já publicados, devem incluir bibliografia completa bem como permissão dos editores para publicação. Recomenda-se que anexos sejam utilizados apenas quando absolutamente necessários.

Referências bibliográficas: devem ser apenas aquelas referentes aos textos citados no trabalho. As palavras REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS devem estar em maiúsculas, negrito, sem adentramento, duas linhas antes da primeira entrada.

Alguns exemplos de citações:

  • Citação direta com três linhas ou menos

(…) conforme Octavio Paz (1982, p.37), “As fronteiras entre objeto e sujeito mostram-se particularmente indecisas. A palavra é o próprio homem. Somos feitos de palavras. Elas são nossa única realidade, ou pelo menos, o único testemunho de nossa realidade”.

  • Citação indireta

(…) entre as advertências de Haroldo de Campos (1992) não há qualquer reivindicação de possíveis influência ou contágio, ao contrário, foi antes a poesia concreta que assumiu as conseqüência de certas linhas da poética drummoniana.

  • Citação de vários autores

Sobre a questão, pode-se recorrer a vários poetas, teóricos e críticos da literatura (POUND, 1977; ELIOT, 1991; VALÉRY, 1991; BORGES, 1998; CAMPOS, 1969).

  • Citação de várias obras do mesmo autor

As construções metafóricas da linguagem; as indefinições; a presença da ironia e da sátira, evidenciando um confronto entre o sagrado e o profano; o enfoque das personagens em diálogo dúbio entre seus papéis principais e secundários são todos componentes de um caleidoscópio que põe em destaque o valor estético da obra de Saramago (1980, 1988, 1991, 1992).

  • Citação de citação e
  • Citação com mais de três linhas

Para servir de fundamento ao que se afirma, veja-se um trecho do capítulo XV da Arte Poética de Freire (1759, p.87 apud TEIXEIRA, 1999, p. 148):

Vê, […] o nosso entendimento que a fantasia aprendera e formara em si muitas imagens de homens; que faz? Ajunta-as e, de tantas imagens particulares que recolhera a apreensiva inferior [fantasia], tira ele  (…)

 

Alguns exemplos de Referências Bibliográficas

.  Livro
FABRIS, Annateresa. Futurismo: uma poética da modernidade. São Paulo: Perspectiva/ Ed. da Universidade de São Paulo, 1987.

.  Capítulo de livro
PALO, Maria José. A crônica da vida: Memorial de Aires, Machado de Assis. In: OLIVEIRA, Maria Rosa Duarte de (Org.). Recortes Machadianos. São Paulo: EDUC/ FAPESP. 2003. p. 257-73.

.  Dissertação e tese
MACHADO, Micheliny Verunschk Pinto. Confluências entre João Cabral de Melo Neto e Sophia de Mello Breyner Andresen: poesia das coisas e espaços. 2006. Dissertação de Mestrado – Programa de Estudos Pós-graduados em Literatura e Crítica Literária, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

.  Artigo de periódico
GOBBI, M. V. Z. Relações entre ficção e história: uma breve revisão teórica. Itinerários, Araraquara, n. 22, p. 37-57, 2004.

.  Artigo de jornal
TEIXEIRA, Ivan. Gramática do louvor. Folha de S. Paulo, São Paulo, 08 abr. 2000. Jornal de Resenhas, p.4.

.  Trabalho publicado em anais
CARVALHAL, Tânia Franco. A intermediação da memória: Otto Maria Carpeaux. In: Anais do II CONGRESSO ABRALIC – Literatura e Memória Cultural. 1990. Belo Horizonte. p. 85- 95.

.  Publicação On-line – INTERNET
MARTINHO, Fernando J.B. Depois do modernismo, o quê ? – o caso da poesia portuguesa.  Rio de Janeiro: Revista Semear 4. Disponível em: http://www.letras.puc-rio.br. Acesso em 22 jun 2006.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ABDALA Junior, Benjamin (org.). Margens da cultura – mestiçagem, hibridismo e outras misturas. São Paulo, Boitempo Editorial, 2004. ABDALA Junior, Benjamin (org.). De vôos e ilhas – literatura e comunitarismos. São Paulo, Ateliê Editorial, 2003. ABDALA JUNIOR, Benjamin. Fronteiras múltiplas, identidades plurais: um ensaio sobre mestiçagem e hibridismo cultural. São Paulo, SENAC, 2002. ALENCAR, José de. O guarani. São Paulo, FTD, 2000. ALMEIDA, José Evaristo de. O escravo. Lisboa, 1856. AMSELLE, Jean-Loup. Logiques métisses. Anthropoligie de l’identité en Afrique et aillers. Paris, Payot, 1990. ANDRADE, Mário de. Macunaíma. Belo Horizonte / Rio de Janeiro, Vila Rica Editora, 2000. ANDRADE, Maristela Oliveira de. 500 anos de catolicismos e sincretismos no Brasil . João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 2002. BAUBÉROT, Jean. História do protestantismo. M. Martins, Publicações Europa-América, s.d. BETHENCOURT, Francisco. História das inquisições – Portugal, Espanha e Itália – séc. XV-XIX. São Paulo, Companhia das Letras, 2000. BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2001. BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas. São Paulo, Edusp, 2000. CANDIDO, Antonio. “Literatura e subdesenvolvimento”. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo, Editora Ática, 1987. CANDIDO, Antonio. O método crítico de Sílvio Romero. São Paulo, Edusp, 1988. CANDIDO, Antonio. Teresina etc. São Paulo, Paz e Terra, 1992. CASTRO, Eduardo Viveiro de. “O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem”. In: Revista de Antropologia, vol.35, 1992, p.21-74. CUCHE, Denis. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru, Edusc, 2002. CUNHA, Euclides da. Os sertões – campanha de Canudos. São Paulo, Francisco Alves / Publifolha, 2000 (estabelecimento de texto de Anamaria Skinner). DEVI, Vimala, & SEABRA, Manuel de. A literatura indo-portuguesa. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 2 v., 1971. FERRETTI, Sérgio Figueiredo. Repensando o sincretismo. São Paulo, Edusp/Fapema, 1995. FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt, 1933. FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 2001. GOMES, Francisco Luiz. Os brahamanes. Lisboa, Typographia da Gazeta de Portugal, 1866. GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. São Paulo, Cia. Das Letras, 2001. HOBSBAWM, Eric J. Nações e nacionalismo desde 1780 (trad. De Maria Celia Paoli e Anna Maria Quirino). Editora Paz e Terra, São Paulo, 1991. HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 5.ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1969. KUPER, Adam. Cultura – a visão dos antropólogos. Bauru, Edusc, 2002. LEITE, Serafim. Breve história da Companhia de Jesus no Brasil. 1549-1760. Braga, Livraria A.I., 1993. LOCKE, John. Carta sobre a tolerância (tradução Berta Bustorff Silva, introdução e análise de Marcello Fernandes e Nazaré Barros). Lisboa, Lisboa Editora. MACHADO DE ASSIS. J. M. “Literatura brasileira: instinto de nacionalidade”. In Critica literária. Rio de Janeiro: Jackson, 1955, p.129-136. MELLO e SOUZA, Gilda de. O tupi e o alaúde – uma interpretação de Macunaíma. São Paulo, Duas Cidades, 1979. MOREIRA, Adriano, VENÂNCIO, José Carlos (orgs.). Luso-tropicalismo – uma teoria social em questão. Lisboa, Vega, 2000. MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil. Petrópolis, Vozes, 1999. PEREIRA, Carlos Lopes. “Cabo Verde: resistência e formação da consciência nacional”. In: I Reunião Internacional de História de África – Relação Europa-África no 3. Quartel do século XIX. Lisboa, Instituto de Investigação Científica Tropical / Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga, 1989, p. 573-579. RAMA, Ángel. Angel Rama – literatura e cultura na América Latina. (org. Flávio Aguiar & Sandra Vasconcelos). São Paulo, Edusp, 2001. REGO, A. da Silva. O padroado português do Oriente. Esboço histórico, Lisboa: AGC, 1940. RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o povo brasileiro. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984. ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro , Nova Fronteira , 1986. SAID, Edward. Orientalismo – O oriente como invenção do Ocidente. São Paulo, Companhia das Letras, 1996. SCHUARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. SCHWARCZ, Lília Moritz. O espetáculo das raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo, Companhia das Letras, 2004. SUASSUNA, Ariano. O romance d’A Pedra do Reino. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1977. TODOROV, Tzvetan. A conquista da América. Lisboa, Edições Litoral, 1990. VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios – catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. VIVEIROS DE CASTRO, E. “O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem”. Revista de Antropologia, USP, vol. 35, 1992 (21-74). WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo, Livraria Pioneira Editora, 1967. BIBLIOGRAFIA GERAL: ABDALA Júnior, Benjamin. Literatura, história e política. São Paulo, Editora Ática, 1989. AHMAD, Aijaz. Linhagens do presente. São Paulo, Boitempo Editorial, 2002. ALMEIDA, Carlos José Duarte. “A Companhia de Jesus em Cabo Verde (1604-1642)”. In: Povos e Culturas, 1998, n.6, p. 535-573. ALMEIDA, Pedro Ramos de. História do colonialismo português em África: cronologia – século XIX. Lisboa, Editorial Estampa, 1979. ALVES FILHO. A. pensamento político no Brasil. Manoel Bomfim: um ensaísta esquecido. Rio de Janeiro: Achiamé/Socii, 1979. ANDRADE, Mário Pinto de. Origens no nacionalismo africano. Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1997. ARAÚJO, R. B. de. Guerra e paz. Casa-grande & senzala e a obra de Gilberto Freyre nos anos 30. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994. AZEVEDO, Rafael Ávila de. A influência da cultura portuguesa em Macau. Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1984. BANGERT, William. História da Companhia de Jesus. Porto, Apostolado da Imprensa, 1985. BASTOS, E. R. Gilberto Freyre e a formação da sociedade brasileira. Tese de doutorado. Programa de Estudos Pós-graduados em Ciências Sociais, PUC-SP, 1986. BASTOS, E. R., MORAES, J. Q. de. (orgs.). O pensamento de Oliveira Vianna. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993. BAYLY, Christopher. The Birth of the Modern World. Ed. Blackwell, 2004. BERNARD, Carmen, GRUZINSKI, Serge. “Mestizos, mulatos y ladinos en Hispano-américa: un enfoque antropológico y un proceso histórico”, datil., 1998. BERND, Zilá. Negritude e literatura na América Latina. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1987. BETHELL, Leslie. História da América Latina. Da independência até 1879. São Paulo, Edusp, Imprensa Oficial do Estado, Funag, v.3, 2001 (trad. de Maria Clara Cescato). BHABHA, Homi K. (editor). Nation and Narration. Routledge, Londres, 1990; BROOKSHAW, David. Raça e cor na literatura brasileira. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983. BURITY, Glauce Maria Navarro. A presença dos franciscanos na Paraíba através do convento de Santo Antônio. Rio de Janeiro, Bloch, 1988. CANDIDO, Antonio. “Literatura e subdesenvolvimento”. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo, Editora Ática, 1987, p.140-162. CANDIDO, Antonio. 2.ed. Formação da literatura brasileira. São Paulo, Editora Martins, 2 v., 1964. CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1985. CARRIZO, Silvina. Fronteiras da imaginação – os românticos brasileiros: mestiçagem e nação. Niterói, Ed. UFF, 2001. 174p. (Coleção Ensaios). CARVALHO, Rómulo de. História do ensino em Portugal. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1986. CHAMOISEAU, P. Écrire en pays dominé. Paris : Gallimard, 1997. P.200. CHAVES, Rita. Entre intenção e gestos – a formação do romance angolano. Universidade de São Paulo, Tese de Doutorado, FFLCH, 1993. CORRÊA, Mariza. As ilusões da liberdade: a Escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Bragança Paulista, Edusf, 1998. CORREIA, Francisco Augusto da Cruz. O método missionário dos jesuítas em Moçambique 1881-1910. Um contributo para a história da missão da Zambézia. Braga: Apostolado da Imprensa, 1992. COSTA, Sérgio (2001a). “A mestiçagem e seus contrários: etnicidade e nacionalidade no Brasil contemporâneo”. Tempo Social, vol. 13, nº 1. COSTA, Sergio. “Etnicidade como identidade pós-nacional. A etnicização das identidades políticas e o fim da mestiçagem no Brasil”. Paper preparado para o VI Encontro Luso-afro-brasileiro de Ciências Sociais. Porto, set. 2000. DEANE, Seamus (editor). Nationalism, Colonialism and Literature. University of Minnesota Press, Minneapolis, 1992. DEVI, Vimala, & SEABRA, Manuel de. A literatura indo-portuguesa. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 2 v., 1971. Diccionario histórico de la Compañia de Jesús. Charles E. O’Neill, S.I. e Joaquín M.ª Domínguez, S.I. (ed.). Roma – Madrid, Institutum Historicum S.I. – Universidad Pontificia Comillas, 2001 (4 vol.). FAORO, Raymundo. Os donos do poder. São Paulo, Editora Globo / Publifolha, 2000, 2 v. FERREIRA, Manuel. A aventura crioula. 2.ed. Lisboa, Plátano Editora, 1973. FRANÇA, José Augusto. O romantismo em Portugal – estudos de factos socioculturais. Lisboa, Livros Horizonte, 1993. FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos. São Paulo, Editora Global, 2003. FUMIAN, Carlo. Verso una società planetaria. Ed. Donzelli, 2003. FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo, companhia Editora Nacional / Publifolha, 2000. GELNEER, Ernest. Relativism and the social sciences. Cambridge, Cambridge University Press, 1985. GLISSANT, Edouard. Poétique de la relation. Paris, Gallimard, 1990. GONÇALVES, Manuel Pereira. “Presença franciscana na Índia no século XVI”. In ALBUQUERQUE, Luís de (ed.), Portugal no Mundo, vol. III, Lisboa: Alfa, 1990, 104-134. GONÇALVES, Nuno da Silva. Os jesuítas e a missão de Cabo Verde(1604-1642). Lisboa, Ed. Brotéria, 1996. GRACIAS, José António Ismael. A imprensa em Goa nos séculos XVI, XVII e XVIII. Nova Goa, Imprensa Nacional, 1880. GUIMARÃES, A. S., HUNTLEY L. (orgs.). Tirando a máscara – ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo, Paz e Terra. GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. “Racismo e anti-racismo no Brasil”. Novos Estudos, n.43, 1995. GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo, Editora 34, 1999. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. (trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro). Rio de Janeiro: DP & A, 1998. HERBERT, Christopher. Culture and anomie. Ethonographic imagination in the nineteenth century. Chicago/Londres, Chicago University Press, 1991. HOLANDA, Sergio Buarque de. Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro, Editora José Olimpio, 1957. HOLANDA, Sergio Buarque de. Capítulos de literatura colonial. São Paulo, Editora Brasiliense, 1991 (org. e intr. de Antonio Candido). HOLANDA, Sergio Buarque de. Visão do paraíso – os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo, Editora Brasiliense / Publifolha, 2000. HUTCHINSON, John & SMITH, Anthony (1994). Ethnicity. Oxford, Oxford University Press. JAMESON, Fredric. A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis. Editora Vozes, 2001. LEITE, Dante Moreira. O caráter brasileiro – história de uma ideologia. 6.ed. (rev.) São Paulo, Editora Unesp, 2002. LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil Lisboa, Liv. Portugália; Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro – Liv. Civilização Brasileira, 1938-1950 (10 tomos). LESSER, J. Negociating the National Identity. Immigrations, Minorities and the Struggle for Ethnicity in Brazil. Durham, Duke Univ. Press, 1999. LIMA, Oliveira. Formação histórica da nacionalidade brasileira. São Paulo, Top Books / Publifolha, 2000. LOPES, António. A primeiríssima casa da Companhia de Jesus no mundo e a expansão missionária de Portugal. [Lisboa] Secretariado Nacional das Comemorações dos 5 Séculos, 1994. LOPES, Oscar e SARAIVA, Antonio José. (11 ed. cor. e atual.) História da literatura portuguesa, Porto, Porto Editora, 1979. LUCAS, Maria Manuela. “Organização do império”. In: MATTOSO, José. História de Portugal. Lisboa, Editorial Estampa, [1993], v.5, O Liberalismo (coord. de Luís Reis Torgal e João Roque), p.285-314. MACHADO, Manuel Álvaro. Les romantismes au Portugal – modeles etrangers et orientations nationales. Paris, Fondation Calouste Gulbenkian, Centre Culturel Portugais, 1986. MATA, Roberto da. A casa & a rua. Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Guanabara, 1987. MEDEIROS, Eduardo. “Etnias e etnicidade em Moçambique – o advento do mundo Sena – das origens a 1918”. O desafio africano. (org.) José Carlos Venâncio. Lisboa, Vega, 1997, p.59-82. MERQUIOR, José Guilherme. De Anchieta a Euclides. Breve história da literatura brasileira. Rio de Janeiro, José Olympio, 1977. MOTA, Carlos Guilherme (org.). Ideologia da cultura brasileira (1933-1974). São Paulo: Ática, 1977. MOTA, Lourenço Dantas (org.). Banquete nos trópicos 2. São Paulo, Editora Senac, 2004. MOTA, Lourenço Dantas (org.). Introdução ao Brasil – um banquete no trópico. São Paulo, Editora Senac, 1999. NABUCO, Joaquim. O abolicionismo. São Paulo, Editora Nova Fronteira / Publifolha, 2000. NOVAES, Adauto (org.). A descoberta do homem e do mundo. São Paulo, Minc-Funarte / Companhia das Letras, 1998. NÓVOA, Antônio et alii. Para uma história da educação colonial. Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, Porto e Lisboa, 1996. OLIVEIRA VIANNA, Francisco J. Evolução do povo brasileiro. São Paulo, Monteiro, 1923. OLIVEIRA, J.P. Bacelar e. “Arrest, Spoliation and Exile of the Goa Jesuits According to Father Caeiro’s ‘De Exilio'”, in SOUZA, Teotónio R. de (ed.), Indo-Portuguese History. Old Issues, New Questions (3 th ISIPH ), New Delhi: Concept, 1985, 123-132. PALM, Erwin Walter. “El sincretismo emblemático de los Triunfos de la Casa del Déan en Puebla”. Comunicaciones – Proyecto Puebla-Tlaxcala. Fundación Alemana para la Investigación Cinetífica, Puebla, 1973, t.VIII, p.57-62. PELISSIER, René. História de Moçambique – formação e oposição 1854-1918. Lisboa, Editorial Estampa, 1994. PHELAN, John. El reino milenario de los franciscanos en el Nuevo Mundo. México, UNAM, 1972. PRADO Junior, Caio. Formação do Brasil contemporâneo – colônia. São Paulo, Editora Brasiliense / Publifolha, 2000. QUEIRÓS, Eça de. “A marinha e as colonias”, Uma campanha alegre. Lisboa, Companhia Nacional Editora, v.1, 1890. RAMA, Angel. Transculturacion narrativa en América Latina. Siglo XXI Editores, México, 1982. RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. RODRIGUES, Francisco. História da Companhia de Jesus na Assistência de Portugal. Porto, Apostolado da Imprensa, 1931-1950 (4 tomos). SILVA, António da. Mentalidade missiológica dos jesuítas em Moçambique antes de 1759. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 1967 (2 vol.). ROMERO, Ignacio Osorio. Colegios y profesores jesuitas que enseñaron latín en Nueva España (1572-1767). México, UNAM, Instituto de Investigaciones Filológicas, 1979. ROMERO, Ignácio Osorio. La enseñanza de latín a los indios. México, UNAM, 1997. ROMERO, Sílvio. “Mestiçagem e literatura nacional. Gregório de Matos”. In: CANDIDO, A.(org.) Silvio Romero. Teoria, crítica e história literária. Petrópolis: Vozes, 1978. ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. 5.ed. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1953-1954, 5 v. ROWBOTHAM, A.H. Missionary and Mandarin. The Jesuits at the Court of China, 1942. SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. SANSONE, Livio. “As relações raciais em Casa Grande & Senzala revisitadas à luz do processo de internacionalização e globalização”. In M. C. Maio & R. V. Santos (orgs.), Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro, Fiocruz/CCBB, 1996, p. 207-218. SANTIAGO, Silviano. [Orelha de livro] . In: CANCLINI, Nestor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1995. SANTIAGO, Silviano. “Elogio da tolerância racial”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 9 set. 1990. Idéias/Livros, p.8-11. SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos; ensaios sobre dependência cultural. Perspectiva: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978. SANTOS, Maria Emília Madeira (org.). I Reunião Internacional de História de África – relação Europa-África no 3o. quartel do século XIX – Actas. Lisboa, Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga, Instituto de Investigação Científica e Tropical, 1989. SCHWARCZ, Lília Moritz. “Nem preto, nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na intimidade”. História da vida privada. São Paulo, Companhia das Letras, v. 4. SCHWARCZ, Lília Moritz. Retrato em branco e preto – jornais, cidadãos e escravos – século XIX. São Paulo, Companhia das Letras, 1989. SCHWARZ, R. Um mestre na periferia do capitalismo – Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades, 990. SERRÃO, Joel, MARQUES, A. H. de Oliveira. Nova história da expansão portuguesa – O império africano. Lisboa: Editorial Estampa, v. X (1825-1890), 1998 (coord. Valentim Alexandre e Dill Dias) e v. XI (1890-1930), 2001 (coord. A. H. de Oliveira Marques). TAVARES, Célia Cristina da Silva. “Mediadores culturais: jesuítas e a missionação na Índia (1542-1656)”, In: Revista Acervo – Religião, revista do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro, p.173-190. THOMAZ, Luís Filipe Reis, “O cristianismo e a tradição pagã na Índia Portuguesa”, in Actas do Congresso Internacional de Etnografia de Santo Tirso, vol. IV, 1963. TURGEON, L. Regards croisés sur le métissage. Presses de L’universite Laval 2003. TURGEON, L. Patrimoines métisses – contextes coloniaux et postcoloniaux. Maison des Sciences de L’homme, 2003. TURGEON, L., DESDOUITS, A. M. Ethnologies francophones de l’amerique et d’ailleurs. Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales,1998. VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo, Cia. das Letras, 1995. VOLTAIRE. Tratado da tolerância. Editora Antígona, 1999. WAGNER, Roy. L’invenzione della cultura. Milão, Mursia, 1992. WIEVIORKA, Michel “Contextualizing French Multiculturalism and Racism”. Theory, Culture and Society, vol 17, 1999, n.1. WITTKOWER, Rudolf. Allegory and the migration of symbols. New York, Thames and Hudson, 1987. YUDICE, George. Conveniência da cultura – os usos da cultura na era global. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2005. ZARUR, George de Cerqueira Leite. A utopia brasileira: povo e elite. Brasília, Abapé, 2004. ZERON, Carlos. La Compagnie de Jésus et l’instituition de l’esclavage au Brésil: les justifications d’ordre historique, théologique et juridique, et leur intégration dans une mémoire historique (XVIè-XVIIè siècles). Tese de doutorado em História. Paris, EHESS, 1998 (datil.).

 

 

 

 

Encerramento do III SIMPÓSIO e publicação das atas em E-book

No dia 11 de novembro encerramos o nosso III Simpósio Internacional de Literatura Negra Ibero-americana em Curitiba. Apesar de todas as atribulações e dificuldades pela incerteza do local foi um sucesso e os resultados atestam o sucesso da empreitada. Deixo registrado o meu agradecimento a todos que de maneira direta ou indireta contribuíram para o êxito da iniciativa. Os registros fotográficos e demais [vídeos] estarão disponíveis na comunidade do facebookAs poéticas Afro-latinas.

As comunicações apresentadas, mesas redondas e palestras terão sua publicação em E-BOOK.

O envio será para o email:

machadeira@gmail.com

PRAZO PARA ENVIO DOS TEXTOS COMPLETOS APRESENTADOS PARA PUBLICAÇÃO NA VERSÃO ELETRÔNICA 30 DE DEZEMBRO de  2016.

Normas para os TEXTOS PARA PUBLICAÇÃO EM E-BOOK:

EXTENSÃO DO TEXTO: DE  10 A 15 PÁGINAS

 

  • Cada participante só poderá enviar uma proposta de comunicação: NÃO SERÃO ACEITOS TRABALHOS EM CO-AUTORIA;

TEXTOS QUE ESTEJAM FORA DA TEMÁTICA DO III SIMPÓSIO,  FORA DO PADRÃO PEDIDO E COM PROBLEMAS DE REDAÇÃO SERÃO RECUSADOS

NORMAS DE EDIÇÃO:

Título em caixa-baixa, negrito, centralizado, fonte 12, Times New Roman;

Nome do autor alinhado à margem direita;

– Corpo do texto: espaço 1,5, fonte 12, Times New Roman;

Formatação da página: Margem superior: 3,5 cm; Margem inferior: 3,5 cm; Margem esquerda: 3,0 cm; Margem direita: 2,5 cm;

– As citações até três linhas devem integrar o corpo do texto, ser assinaladas entre aspas e seguidas da indicação de referência (sobrenome do autor, ano, número de página) = Ex.: (ADORNO, 1988, p. 50);

– As citações com mais de três linhas devem vir destacadas do texto regular, com recuo de 2,5 cm da margem esquerda, em espaço simples, fonte 11, seguidas da indicação de referência (sobrenome do autor, ano, número de página);

– Caso haja nota de rodapé explicativa, o número da nota no corpo do texto deve vir após sinal de pontuação. Exemplo: “O caráter destrutivo é jovem e sereno” (BENJAMIN, 1986, p. 187).[1]

Referências Bibliográficas ao final do texto, de acordo com as normas da ANBT. Exemplos:

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “Infância e pensamento”. In: GHIRALDELLI, Paulo. Infância, escola e modernidade.  São Paulo: Cortez, 1997.

Epígrafe (quando houver): Fonte 11, Times New Roman, com recuo à direita da página (4 cm);

Subtítulos (quando houver): Fonte 12, Times New Roman, caixa baixa, negrito, alinhado à esquerda.

[1] xxxxxxxxxxx

III SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE LITERATURA NEGRA IBERO-AMERICANA

DE: 9 A 11 DE NOVEMBRO

EMENTA DO EVENTO: Este simpósio tem como objetivo aprofundar a discussão da representação do negro na Literatura, isto é, problematizar a questão do “negro escrito”, bem como a sua contribuição para a construção da identidade ibero-americana, isto é, a partir de leituras de obras de escritores negros e de afrodescendentes serão discutidas questões alinhavadas com a ressignificação e valorização cultural das matrizes africanas, que formam a diversidade cultural latino-americana e, por extensão, a brasileira e a portuguesa.

APOIO: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS DA UFPR; CAPES; FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA, NEAB/UFPR E PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS DA UFJF.

PROGRAMAÇÃO 

09/11/2016 -ABERTURA. LOCAIS DEFINIDOS!!!!!!!!

LOCAL: PROGEPE/UFPR. AUDITÓRIO -RUA DR. FAIVRE, 590

REGISTRO DOS PARTICIPANTES: 8:00/9:00 – SAGUÃO DO AUDITÓRIO

9:00: Abertura do III Simpósio Internacional de Literatura Negra Ibero-americana:  Prof. Dr. Rodrigo  Vasconcelos Machado/Coordenador do Simpósio; Dr. Paulo Vinicius/NEAB-UFPR, Dra Ana Beatriz/UFJF


9:30/11:30
PALESTRA: ANTONIO DWAYNE TILLIS/CHARLESTON COLLEGE-ESTADOS UNIDOS: “PERSPECTIVAS CRÍTICAS SOBRE A LITERATURA AFRO-LATINO-AMERICANA”

Lançamentos de livros e autógrafos:

O ENSAIO NEGRO IBERO-AMERICANO: APONTAMENTOS PARA UMA POSSÍVEL HISTORIOGRAFIA, Org. Rodrigo Vasconcelos Machado. Distribuição gratuita mediante sorteio entre os participantes.

Outros lançamentos:

SILVA, Denise de Almeida (org). PARA LER COM PRAZER:  PROPOSIÇÕES DIDÁTICAS PARA O ENSINO DA LITERATURA AFRICANA, AFRO-BRASILEIRA E INDÍGENA EM SALA DE AULA, 2015.

REINEHR, Melissa; SILVA, Adegmar. J. Candiero. ORALIDADES AFROPARANAENSES: FRAGMENTOS DA PRESENÇA NEGRA NA HISTÓRIA DO PARANÁ. Curitiba: Editora Humaitá, 2016.

TARDE:

LOCAL: COMUNICAÇÃO SOCIAL -DECOM/UFPR

Endereço: Rua Bom Jesus, 650 – Juvevê – Curitiba/PR

AUDITÓRIO DECOM:

13:30/14:40. PALESTRA. ENLICE ALBERGARIA ROCHA /UFJF: A Poética da Relação em Édouard Glissant.

INTERVALO DE 20 MINUTOS

AUDITÓRIO DO DECOM:

15:00/16h45Mesa redonda : Novas abordagens da literatura e língua negra. Odete Pereira da Silva Menon/UFPR: “Língua de negro e outras minorias no teatro português”; Lilian do Rocio Borba- Unicamp/IEL: “Representação de personagens escravos: análise linguística da fala de personagens negros em dois romances do século XIX”, Luiz Henrique S. de Oliveira/CEFET-MG: “Úrsula (1859), de Maria Firmina dos Reis: por dentro e por fora do Romantismo brasileiro”.

COMUNICAÇÕES 

LOCAL: COMUNICAÇÃO SOCIAL -DECOM/UFPR

Endereço: Rua Bom Jesus, 650 – Juvevê – Curitiba/PR

SESSÕES DE COMUNICAÇÕES  I   

SABERES FRONTEIRIÇOS E PRÁTICAS LITERÁRIAS

Horário: 15:00/16:45- SALA  4

Práticas literárias descoloniais: Maria Josele Bucco Coelho/UFPR;

Transformando a dor em exercício de fala: memória, contranarrativa e vulnerabilidade social em textos de Conceição Evaristo: Denise Almeida Silva/URI:

Memória poética quilombola: a poesia de Ilton Gonçalves, poeta quilombola de Batuva – Guaraqueçaba Paraná: Ana Josefina Ferraria/UFPR-Litoral;

Conversa com o Poeta quilombola Ilton Gonçalves.

– INTERVALO DE 15 MINUTOS

CAROLINA MARIA DE JESUS

Horário: 17:00/18:30- SALA 4

História e memória: a luta pelo poder interpretativo na escrita de Carolina Maria de Jesus: Laísa Marra /UFMG;

Carolina Maria de Jesus: a literatura no Quarto de despejo: Pedro da Silva de Melo/FFLCH-USP-UNIUV-PR;

“O que tem de ser, já nasce”: Insubmissão e Reflexão em O Diário de Bitita: Dayse Martins da Costa Godoy/UNICENTRO;

A voz que emana do Quarto de Despejo: o diário de muitas Marias: Vanessa Aparecida Kramer/UNICENTRO;

 

SESSÕES DE COMUNICAÇÕES  II   

Horário: 15:00/16:45- SALA 5

A influência de Olavo Bilac no discurso literário da “Pérola Negra” curitibana: Sueli de Jesus Monteiro/IFPR

Literatura negra e consciência racial no Brasil: Luís Gonzaga Pinto da Gama: Madalena Dias Silva Freitas/UEG

Cristiane Sobral: corpos e o eu poético negro espelhado: Israel Melo/UNB

 Inimigo Íntimo: Sujeito lírico e subjetividade negra na poética vocal de Mano Brown: Susan de Oliveira/UFSC

 Poesia de ferro em brasa. A poética de dor e luta de Adão Ventura: Élen Rodrigues Gonçalves/ UFJF

-INTERVALO DE 15 MINUTOS

Horário: 17:00/18:30- SALA 5

O negro como sujeito de direitos na poesia de Solano Trindade: Victor de Barros Rodrigues/UFPR

Amores frustrados: Um diálogo com a paisagem: Sônia Maria Ferreira de Matos/ UFJF

A Presença e os fantasmas de Cruz e Sousa nas histórias da literatura: Matheus Menezes Marçal PUC-RS

As vozes da musicalidade africana na poética de Agostinho Neto: Gilberto Ferreira de Souza/UNICAMP

O hibridismo na poesia de Paula Tavares: Ciomara Breder Kremsper/UFJF;

SESSÕES DE COMUNICAÇÕES  III   

ASPECTOS DE UMA LITERATURA-MUNDO EM FRANCÊS NA AMÉRICA LATINA

Horário: 15:00/16:45- SALA 6

Poética da revolta e do ódio: João Arthur Pugsley Grahl/UFPR;

Aspectos da Literatura negra caribenha de expressão francesa: Nathalie Dessartre/UFPR; 

Negritude, crioulidade, literatura-mundo: o pensamento antilhano pós-colonização: Viviane Araújo Alves da Costa Pereira/UFPR;

O teatro político de Aimée Cesaire poesia e colonialismo Walter Lima Torres Jr/UFPR

Haiti: A Presença constante do retorno ao país natal através das vozes de Laferrière e Dalembert. Waldson Dias ∕ UNILA

– INTERVALO DE 15 MINUTOS

Horário: 17:00/18:30- SALA 6

La huella africoamericana en la escritura de las poetas de Urabá, Colombia: Nanny Zuluaga Henao/UFJF

Ideologia e Resistência: Corpo e Movimento na poética de Marta Quiñonez: Marcela Batista Martinhão/UFJF

Literatura afro-brasileira: (contra)pontos e debates: Jéssica Catharine Barbosa de Carvalho/ UFPI

Identidade e memória na literatura afro-brasileira: um estudo sobre Oboé, de Oswaldo de Camargo: Bruna Fernandes Cunha/ UFPR

SESSÕES DE COMUNICAÇÕES  IV   

Horário: 15:00/16:45-SALA 8

Canibalismo urbano: Érica Luciana de Souza Silva/UFJF

Cartografia da cor: lugar e memória no romance de Nei Lopes: Cláudio do Carmo/UNEB

A experiência vivida de Frantz Fanon: a voz ensaística em Pele negra, máscaras brancas: José Luis Bubniak/UFPR

O ensaísmo glissantiano como opção decolonial.: Marcelo Alcaraz/UFPR

Metalinguagem na literatura negra brasileira de autoria feminina: a corporificação da palavra e o empoderamento feminino.: Juliana Cristina Costa/UFJF

A Imprensa Negra Brasileira: a importância dos periódicos editados por negros no começo do século XX. Franciele Rodrigues Guarienti/UFSC

 

SESSÕES DE COMUNICAÇÕES  V   

Horário: 15:00/16:45- Local: SALA 9

A representação do negro na crônica de Machado de Assis: uma proposta de análise: Greicy Pinto Bellin-UFPR/UNIANDRADE;

A representação do Outro no Caderno de Memórias Coloniais: Lucas Esperança da Costa/UFJF

Literatura contemporânea e sabedoria ancestral: notas do caroço de dendê: Felipe Fanuel Xavier Rodrigues/UERJ-FAPERJ;

Resiliência e o estereótipo da “supermulher”negra: empoderamento e conhecimento em dois contos de Conceição Evaristo: Cátia Cristina Bocaiuva Maringolo/ UFMG;

– INTERVALO DE 15 MINUTOS

Horário: 17:00/18:30- Local: SALA 9

Aspectos culturais no contexto social escravagista: o poder influindo no lugar do negro em A Mercy de Toni Morrison: Stefane Soares Pereira/UFJF-MS

O triste olhar em frente ao espelho: Uma analise sobre a representação da mulher negra em “The Bluest Eye”: Karla Cristina dos Passos/UFSCAR

Do multiculturalismo crítico à educação intercultural: uma investigação da prática pedagógica de professores no ensino de História da África e Literaturas Africanas e Afro-Brasileiras: Francisco Jeimes de Oliveira Paiva/ UECE/UNILAB

10/11/2016

LOCAL: PROGEPE/UFPR. RUA DR. FAIVRE, 590

AUDITÓRIO DA PROGEPE – 08h00/10h00Mesa redonda 1: – Literaturas afro-hispânicas: Uruguay Cortazzo/UFPEL:  “UTOPÍAS RACIALES. El mestizaje cósmico de José Vasconcelos”; Rodrigo Vasconcelos Machado/UFPR: “A negrura da mestiçagem de Manuel Zapata Olivella”; Alcione Correa Alves/UFPI: “Teorias da literatura, cemitérios de nossos outros” e Carlindo Fausto Antônio/UNILAB: “No reino da carapinha; as vias de aproximação entre teoria e produção literária”.

10:00/10:20 – INTERVALO

10:20/11:30 – Palestra: “Cimarronaje y heterogeneidad sociocultural. ¿De qué hablamos cuando leemos nuestra literatura afrolatinoamericana?”– FRANKLIN ENRIQUE MIRANDA ROBLES/Universidad Andina Simón Bolívar/EQUADOR: LITERATURA AFRO-EQUATORIANA

TARDE:

LOCAL:  COMUNICAÇÃO SOCIAL -DECOM/UFPR

Endereço: Rua Bom Jesus, 650 – Juvevê – Curitiba/PR

AUDITÓRIO DO DECOM

13:30/15:30-Literatura afro infanto-juvenil. Sônia Rosa/escritora: “Literatura infantil afro-brasileira – entre textos e afetos”; Maria Antônia Anória Oliveira/UNEB: “Mitos afro-brasileiros para crianças na literatura infantil e juvenil”; Eliane Debus/UFSC: “A literatura africana de Língua portuguesa para a infância e o mercado editorial brasileiro” e Paulo Vinícius Baptista da Silva/UFPR: “Oralituras e alfabetização da diáspora”.

Zum Zum Zumbi. Sonia Rosa. Editora Pallas.

Áfricas e Diásporas na Literatura Infanto-Juvenil no Brasil e em Moçambique. Maria Anória de Jesus Oliveira.Editora UNEB.

Mulheres, raça e classe, Angela Davis. Socorro

Intervalo: 10 minutos

AUDITÓRIO DO DECOM

15:40/17:00 PALESTRA: NARRAR O NEGRO: LINGUAGEM E PERSPECTIVA NA FICÇÃO DE CUTI – EDUARDO DE ASSIS DUARTE/UFMG

17:00/17:15 – CAFEZINHO

AUDITÓRIO DO DECOM

17:15/18:30- MESA REDONDA COM OS ESCRITORES CUTI: Literatura Erótica e Identidade Negra; RONALD AUGUSTO: Escritores negros: além da recepção convencional E OSWALDO DE CAMARGO: Textos negros–Breve roteiro de uma resistência.

Lançamento de livros:

Cuti: Contos escolhidos

Ronald Augusto: Decupagens Assim; Cair de costas e Nem Raro Nem Claro

19:30/21:30 – LEITURA DRAMÁTICA: “tenho medo de monólogo”: CUTI E vera lopes.  Local: TEATRO DA REITORIA. Rua XV de Novembro, 1299.

11/11/2016:

LOCAL: Centro de Capacitação da Secretaria Municipal da Educação de Curitiba, Rua Dr. Faivre, 398.

MANHÃ: 7:40/10:00

1ª MESA REDONDA: A LITERATURA NEGRA DE EXPRESSÃO PORTUGUESA: CARMEN LÚCIA TINDÓ RIBEIRO SECCO/UFRJ:Da garganta, do corpo e do verbo: reflexões sobre a poesia feminina em Moçambique”; TÂNIA CELESTINO DE MACEDO/USP: “José Craveirinha: Negritude e moçambicanidade” E Ana Lúcia liberato tettamanzy/UFRGS: Letras e vozes negras: autorias periféricas e decoloniais”.

10:00/10:15-INTERVALO

10:15/11:45

2ª MESA REDONDAA LITERATURA FEMININA NEGRA: MARIA APARECIDA ANDRADE SALGUEIRO/UERJ: “Descobrindo-se negro/a no Brasil: a Literatura Feminina Negra e seu impacto na sala de aula de Literatura Afro-Brasileira e extra-muros universitários e ANA BEATRIZ RODRIGUES GONÇALVES/UFJF: Afinal, o que é um lar? O conceito de lar na poesia feminina afro-descendente.

 

ENCERRAMENTO DO SIMPÓSIO.

RESULTADOS ESPERADOS DO EVENTO: PUBLICAÇÃO DOS TEXTOS APRESENTADOS NO CADERNO DE RESUMOS [VERSÃO DIGITAL] COM ISBN E FICHA CATALOGRÁFICA; E-BOOK COM ISBN E FICHA CATALOGRÁFICA DOS TEXTOS APRESENTADOS E PUBLICAÇÃO COMPLETA EM LIVRO DOS TEXTOS SELECIONADOS PELO COMITÊ CIENTÍFICO.

APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES: TITULAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA: MESTRADO NA ÁREA DE LETRAS E/OU HUMANAS [EM CURSO]. APRESENTAÇÃO INDIVIDUAL SEM CO-AUTORIA.

PESQUISADORES E PROFESSORES COM APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÃO:GRATUITO [TITULAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA: MESTRANDO]

OUVINTES: GRATUITO. INSCRIÇÃO NA ABERTURA DO EVENTO -75% DE FREQUÊNCIA

INSCRIÇÃO DE OUVINTES PARA OS SEGUINTES EMAILS:

rvmachado@yahoo.com         e   machadeira@gmail.com

PRAZO PARA ENVIO DOS TEXTOS COMPLETOS APRESENTADOS PARA PUBLICAÇÃO NA VERSÃO ELETRÔNICA 20 DE DEZEMBRO.

Normas para os TEXTOS PARA PUBLICAÇÃO EM E-BOOK:

  • Cada participante só poderá enviar uma proposta de comunicação: NÃO SERÃO ACEITOS TRABALHOS EM CO-AUTORIA;

TEXTOS QUE ESTEJAM FORA DA TEMÁTICA DO III SIMPÓSIO,  FORA DO PADRÃO PEDIDO E COM PROBLEMAS DE REDAÇÃO SERÃO RECUSADOS

NORMAS DE EDIÇÃO:

Título em caixa-baixa, negrito, centralizado, fonte 12, Times New Roman;

Nome do autor alinhado à margem direita;

– Corpo do texto: espaço 1,5, fonte 12, Times New Roman;

Formatação da página: Margem superior: 3,5 cm; Margem inferior: 3,5 cm; Margem esquerda: 3,0 cm; Margem direita: 2,5 cm;

– As citações até três linhas devem integrar o corpo do texto, ser assinaladas entre aspas e seguidas da indicação de referência (sobrenome do autor, ano, número de página) = Ex.: (ADORNO, 1988, p. 50);

– As citações com mais de três linhas devem vir destacadas do texto regular, com recuo de 2,5 cm da margem esquerda, em espaço simples, fonte 11, seguidas da indicação de referência (sobrenome do autor, ano, número de página);

– Caso haja nota de rodapé explicativa, o número da nota no corpo do texto deve vir após sinal de pontuação. Exemplo: “O caráter destrutivo é jovem e sereno” (BENJAMIN, 1986, p. 187).[1]

Referências Bibliográficas ao final do texto, de acordo com as normas da ANBT. Exemplos:

GAGNEBIN, Jeanne Marie. “Infância e pensamento”. In: GHIRALDELLI, Paulo. Infância, escola e modernidade.  São Paulo: Cortez, 1997.

Epígrafe (quando houver): Fonte 11, Times New Roman, com recuo à direita da página (4 cm);

Subtítulos (quando houver): Fonte 12, Times New Roman, caixa baixa, negrito, alinhado à esquerda.

[1] xxxxxxxxxxx

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO ENSAIO NEGRO IBERO-AMERICANO!!!!

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO ENSAIO NEGRO IBERO-AMERICANO!!!!

COORDENADORES: PROF. DR. RODRIGO VASCONCELOS MACHADO/UFPR E PROFA. DRA ANA BEATRIZ RODRIGUES GONÇALVES/UFJF
LOCAL: FACULDADE DE LETRAS UFJF -JUIZ DE FORA- MINAS GERAIS. DE: 25 A 27 DE NOVEMBRO

25/11/2015:
REGISTRO DOS PARTICIPANTES E OUVINTES: 8:00/9:00 – AUDITÓRIO DA FACULDADE DE LETRAS DA UFJF.
9:00: Abertura do EVENTO O ENSAIO NEGRO IBERO-AMERICANO: Profa. Dra. Ana Beatriz Rodrigues Gonçalves/Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Letras da UFJF e Prof. Dr. Rodrigo Vasconcelos Machado/Coordenador do evento. AUDITÓRIO DA FALE.
9: 30/11:00

Palestra de abertura: O ENSAIO FEMININO NA HISTORIOGRAFIA LITERÁRIA AFRO-BRASILEIRA: REFLEXÕES INICIAIS, NOVAS PERSPECTIVAS. Maria Aparecida Andrade Salgueiro/UERJ. Local: Auditório da FALE.

11:00 – Lançamentos de livros: Panorama da literatura negra Ibero-americana, Rodrigo Vasconcelos Machado [org.] [sorteio de livros entre os ouvintes], Afro-Brasil – Debates & Pensamentos. Jacques d’Adesky e Marcos Teixeira de Souza. [orgs.] Negrismo e Poéticas Negras, de Luiz Henrique S. Oliveira. Sessão de autógrafos.
TARDE: Sessões de comunicações I e mesa redonda – Faculdade de Letras da UFJF
Bloco 1: 13:30/15:30 – Sala de Defesas da FALE
JOSÉ DO PATROCÍNIO: UM ENSAÍSTA? : Marcos Teixeira de Souza/IUPERG
TOBIAS BARRETO, O INTELECTUAL QUE NÃO FOI À CORTE: Sandro Gomes dos Santos/UERJ
ENSAÍSTA LIMA BARRETO: A MARCA DA EXPERIÊNCIA EM “DIÁRIO DO HOSPÍCIO”: Elizabeth Dias Lessa/UNIMONTES
NOVA ENSAÍSTICA DA CRÍTICA LITERÁRIA EM QUEM AMA LITERATURA NÃO ESTUDA LITERATURA: ENSAIOS INDISCIPLINADOS, DE JOEL RUFINO DOS SANTOS: Natã do Espírito Santos/UFPR
CAFÉ -15 MINUTOS
MESA REDONDA; EDIMILSON PEREIRA DE ALMEIDA 15:45/17:40- Auditório da FALE
OS VÁRIOS MUNDOS ENCAIXADOS NA OBRA ENSAÍSTICA E LITERÁRIA DE EDIMILSON DE ALMEIDA PEREIRA: Prisca Agustoni /UFJF
“A MARGEM ME PROPICIA OS MEIOS”: MAPEAMENTO DE UM PROJETO CRÍTICO: Daviane Moreira e Silva/UFG
CAFÉ :17:40/18:00
PALESTRA: 18:00/19:00 – OS ENSAIOS DE CUTI COMO PROVOCAÇÕES EPISTEMOLÓGICAS À LITERATURA (AFRO) BRASILEIRA: LUIZ HENRIQUE SILVA DE OLIVEIRA/CEFET-MG. Local: Auditório da FALE
26/11/2015:
MANHÃ: 9:00/10:30 – MESA REDONDA: MANUEL ZAPATA OLIVELLA. COORDENADORA: ANA BEATRIZ RODRIGUES GONÇALVES/UFJF. Sala: Auditório da FALE
O ENSAIO NEGRO DE MANUEL ANTONIO ZAPATA: RODRIGO VASCONCELOS MACHADO/UFPR
EL MULATO CÓSMICO. RELECTURA DEL MESTIZAJE EN MANUEL ZAPATA OLIVELLA: URUGUAY CORTAZZO GONZÁLEZ/UFPEL
CAFÉ 10:30/11:00
11:00/12:15 – PALESTRA: CARTAS A NABUCO: O ENSAIO COMO CRISE EM ANDRÉ REBOUÇAS – ANELITO DE OLIVEIRA/UNIMONTES. Auditório FALE

TARDE: SESSÃO DE COMUNICAÇÕES II E MESA REDONDA -14:00/18:30- Faculdade de Letras da UFJF
MESA REDONDA: 14:00/15:40 Sala: Auditório da FALE
LITERATURAS AFRICANAS ENTRE CRÍTICA E POLÍTICA: O CONCEITO DE LITERATURA NA PRODUÇÃO ENSAÍSTICA DE AMÍLCAR CABRAL, MÁRIO PINTO DE ANDRADE, AGOSTINHO NETO E LUIZ KANDJIMBO: Iris Amâncio/UFF
O ENSAIO POLÍTICO COMO PRÁTICA REVOLUCIONÁRIA: A HERANÇA DE AMÍLCAR CABRAL: Alfeu Sparemberger /UFPEL
ENTRE INOVAÇÃO E RESISTÊNCIA: AS ESCRITAS DE LUANDINO VIEIRA E MIA COUTO: Maria Cristina Chaves de Carvalho/UFES
15:40/16:00 – Café
Bloco 3: 16:00-18:30 Sala de defesas da FALE
A AMEFRICANIDADE DE LÉLIA GONZALEZ – MARCO HISTÓRICO DA CONSCIÊNCIA DA MULHER NEGRA: Sueli de Jesus Monteiro/IFPR

UMA VOZ FEMININA DA GUINÉ-BISSAU: ODETE SEMEDO E O ESTUDO DAS MANDJUANDADI: Renata Moreira/CEFET-MG

A ESCRITA DE UMA LUTA: Felipe Fanuel Xavier Rodrigues/UERJ

GEOGRAFIA DE RESISTÊNCIA NA OBRA DE CONCEIÇÃO EVARISTO: Jane Rodrigues dos Santos/ Unimontes-CAPES
O ENTRELUGAR NO DISCURSO ENSAÍSTICO FEMININO AFRICANO: Ciomara Breder Kremsper / UFJF
NILMA LINO: UMA ENSAÍSTA A SERVIÇO DA IGUALDADE RACIAL: Cristiane Veloso de Araujo Pestana/UFJF
19:00/20:30 -PALESTRA: LEDA MARTINS: UMA ENSAÍSTA: EDIMILSON DE ALMEIDA PEREIRA/UFJF – LOCAL AUDITÓRIO DA REITORIA
27/11/2015:
MESA REDONDA 8: 30-10:15. ÉDOUARD GLISSANT – LOCAL: Auditório da FALE
A POÉTICA DA DIVERSIDADE EM ÉDOUARD GLISSANT: Enilce Albergaria Rocha/UFJF
GLISSANT: A CRIOULIDADE COMO TEXTURA: Susan A. de Oliveira/UFSC
A CRÍTICA DE ARTE NOS ENSAIOS DE ÉDOUARD GLISSANT: Thalles do Nascimento Castro/UFJF
CAFÉ: 10:15/10:30
PALESTRA DE ENCERRAMENTO: 10:30/11:30- Auditório da FALE
MÁRIO PINTO DE ANDRADE E A DEFESA DE UMA LITERATURA DE FEIÇÃO NACIONALISTA: Maria Nazareth Soares Fonseca/PUCMINAS

O ENSAIO NEGRO IBERO-AMERICANO


COORDENADORES: PROF. DR. RODRIGO VASCONCELOS MACHADO/UFPR E PROFA. DRA ANA BEATRIZ RODRIGUES GONÇALVES/UFJF
LOCAL: FACULDADE DE LETRAS UFJF -JUIZ DE FORA- MINAS GERAIS

DE: 25 A 27 DE NOVEMBRO
EMENTA DO EVENTO:
Este evento terá como meta propor a discussão sobre os ensaístas negros e afrodescendentes brasileiros, da África portuguesa, afro-caribenhos e afro-hispânicos para verificar como se configura o estado da arte e elaborar uma pioneira historiografia literária do ensaio negro ibero-americano com os textos selecionados do evento. Segundo Eduardo de Assis Duarte há uma lacuna na historiografia literária afro-brasileira sobre o ensaio, isto é, a sistematização e glosa desse tipo de texto vai trazer uma nova perspectiva para os estudos literários. O resultado de tal trabalho de arqueologia resultará na formação de outra base válida para a literatura negra ibero-americana, isto é, a redescoberta de uma tradição supranacional que sempre existiu, mas que por contingências históricas permaneceu obnubilada e não foi colocada em relação. A reflexão através do ensaio de temas que são da ordem do dia o torna um gênero de um alcance maior devido a sua extensão e a sua difusão, principalmente em periódicos e revistas. Portanto, serão aceitas investigações sobre os seguintes ensaístas: Manuel Zapata Olivella, Frantz Fanon, Lidia Cabrera, Georgina Herrera, Nancy Morejón, Carlos Guillermo Wilson “Cubena”, Sherazada Vicioso, Luis Kandjimbo, Agostinho Neto, Quince Duncan, Adalberto Ortiz, Luz Chiriboga, Nicomedes Santa Cruz, Lucía Charún Illescas, Mónica Carrillo, Pilar Barrios, Cristina Rodríguez Cabral, Adalberto Ortiz, Manoel Querino, Teodoro Sampaio, André Rebouças, Evaristo de Moraes, Guerreiro Ramos, Juliano Moreira, Arlindo Veiga dos Santos, Edison Carneiro, Clóvis Moura, Paulo Colina, Tobias Barreto, Milton Santos, Lélia Gonzalez, Sueli Carneiro, Helena Theodoro, Jurema Werneck, Neusa Santos Souza, Ana Célia da Silva, Nilma Lino, Conceição Evaristo, Mário Coelho Pinto de Andrade, Ironides Rodrigues, José Correia Leite, Edimilson de Almeida Pereira, Joel Rufino dos Santos,Oswaldo de Camargo, Cuti, entre outros.
RESULTADOS ESPERADOS DO EVENTO: PUBLICAÇÃO DOS TEXTOS APRESENTADOS NO CADERNO DE RESUMOS [VERSÃO DIGITAL COM ISBN E FICHA CATALOGRÁFICA; PUBLICAÇÃO COMPLETA DOS TEXTOS APRESENTADOS NAS ATAS DO EVENTO ENSAIO NEGRO IBERO-AMERICANO [E-BOOK] COM ISBN E FICHA CATALOGRÁFICA E SELEÇÃO DOS MELHORES TEXTOS PARA COMPOREM COMO CAPÍTULOS A HISTORIOGRAFIA DO ENSAIO NEGRO IBERO-AMERICANO
, PUBLICADA EM VERSÃO IMPRESSA COM UM EXEMPLAR POR AUTOR.
APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES: TITULAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA: MESTRADO NA ÁREA DE LETRAS E/OU HUMANAS [CURSANDO]. APRESENTAÇÃO INDIVIDUAL SEM CO-AUTORIA.
TAXA DE INSCRIÇÃO:GRATUITA [TRABALHOS QUE NÃO FOREM APRESENTADOS NÃO SERÃO PUBLICADOS]. OUVINTES: GRATUITO. PRÉ-INSCRIÇÃO [DE 28/08 A 06/11] POR EMAIL POR ORDEM DE INSCRIÇÃO E DE ACORDO COM DISPONIBILIDADE DE LUGARES.
DATA PARA ENVIO DOS RESUMOS: DE 28 DE AGOSTO A 08 DE NOVEMBRO. ENVIO DAS CARTAS DE ACEITE DE 5 A 8 DE NOVEMBRO. APRESENTAÇÃO ORAL DOS TRABALHOS DE 20 MINUTOS;

ENVIO DOS RESUMOS E INSCRIÇÃO DE OUVINTES PARA OS SEGUINTES EMAILS:
rvmachado@yahoo.com e machadeira@gmail.com
PRAZO PARA ENVIO DOS TEXTOS COMPLETOS APRESENTADOS PARA PUBLICAÇÃO NA VERSÃO DIGITAL 20 DE DEZEMBRO;
PRAZO PARA ENVIO DOS TEXTOS SELECIONADOS PARA A VERSÃO IMPRESSA: 15 DE JANEIRO.A VERSÃO IMPRESSA DEPENDERÁ DE VERBA DAS AGÊNCIAS DE FOMENTO: CAPES E CNPQ. AS DESPESAS DE ENVIO PELOS CORREIOS DEVERÃO SER PAGAS PELOS INTERESSADOS.
Normas para os resumos:
• Cada participante só poderá enviar uma proposta de comunicação;
• Todos os autores devem ter conhecimento das normas, do conteúdo do resumo e concordar em ter seu nome inserido;
• Antes que o resumo seja enviado, sugerimos que os autores façam rigorosa revisão gramatical, ortográfica, de digitação, de conteúdo e dados da pesquisa (incluindo título, nomes dos autores e demais dados), pois NÃO será possível corrigir o resumo após seu envio. Os dados serão publicados exatamente como enviados;
• O resumo pode ser escrito em português ou espanhol e deverá conter somente texto;
• Os resumos serão avaliados pela Comissão Científica e poderão ser recusados caso não atendam as exigências da proposta do evento;
• A palavra Resumo em corpo 12, negrito e em maiúsculas, duas linhas abaixo do nome do autor/instituição, seguida de dois pontos. O texto-resumo deverá ser apresentado em itálico, corpo 12, com recuo de dois centímetros de margem direita e esquerda. O resumo deve ter no mínimo 6 linhas e no máximo 12.

Normas para os textos:
TAMANHO DE 13 A 20 PÁGINAS
TIMES NEW ROMAN 9
TÍTULO: NEGRITO, ITÁLICO, SEM CAIXA ALTA E CENTRALIZADO.
AUTOR: ALINHAMENTO À ESQUERDA SEM CAIXA ALTA COM A INSTITUIÇÃO DE ORIGEM. COLOCAR NOTA DE RODAPÉ COM UMA PEQUENA BIBLIOGRAFIA E TITULAÇÃO ACADÊMICA
CORPO DO TEXTO: PARÁGRAFOS 1,25. ESPAÇO SIMPLES.
RECUO À ESQUERDA: 2,5 cm
RECUO À DIREITA: 2,5 cm
NÃO INSERIR NÚMEROS DE PÁGINAS
Subtítulos: sem adentramento, em negrito, só com a primeira letra em maiúscula, numerados em algarismo arábico. A numeração não inclui a introdução, a conclusão e a referência bibliográfica;
Tabelas e ilustrações (fotografias, desenhos, gráficos etc.) devem vir dentro do padrão geral do texto e no espaço a elas destinados pelo autor. Recomenda-se o uso de imagens em 72 px de resolução. Evitar o uso de imagens em grandes dimensões;
Notas – devem ser evitadas. Quando necessário, devem aparecer ao pé da página, numeradas de acordo com a ordem de aparecimento. Corpo 8.
Ênfase ou destaques no corpo do texto – deve-se usar negrito. Para palavras em língua estrangeira, usar itálico.
Obras [teóricas, literárias, revistas, etc]: em Itálico no corpo do texto. Nas referências bibliográficas em itálico ou negrito.
Citações de até três linhas vêm entre aspas, (sem itálico), seguidas do sobrenome do autor (em maiúsculas), ano de publicação e página(s). Com mais de 3 linhas, vêm com recuo de 4,5 cm na margem esquerda, corpo menor (fonte 8), sem aspas, sem itálico e também seguidas do sobrenome do autor (em maiúsculas), ano de publicação e página(s). As citações em língua estrangeira devem vir em itálico e traduzidas em nota de rodapé.
Anexos devem ser evitados. Caso existam, devem ser colocados antes das referências bibliográficas, precedidos da palavra ANEXO, em maiúsculas e negrito, sem adentramento e sem numeração. Quando constituírem textos já publicados, devem incluir bibliografia completa bem como permissão dos editores para publicação. Recomenda-se que anexos sejam utilizados apenas quando absolutamente necessários.
Referências bibliográficas: devem ser apenas aquelas referentes aos textos citados no trabalho. As palavras REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS devem estar em maiúsculas, negrito, sem adentramento, duas linhas antes da primeira entrada.
Alguns exemplos de citações:
• Citação direta com três linhas ou menos
(…) conforme Octavio Paz (1982, p.37), “As fronteiras entre objeto e sujeito mostram-se particularmente indecisas. A palavra é o próprio homem. Somos feitos de palavras. Elas são nossa única realidade, ou pelo menos, o único testemunho de nossa realidade”.
• Citação indireta
(…) entre as advertências de Haroldo de Campos (1992) não há qualquer reivindicação de possíveis influência ou contágio, ao contrário, foi antes a poesia concreta que assumiu as conseqüência de certas linhas da poética drummoniana.
• Citação de vários autores
Sobre a questão, pode-se recorrer a vários poetas, teóricos e críticos da literatura (POUND, 1977; ELIOT, 1991; VALÉRY, 1991; BORGES, 1998; CAMPOS, 1969).
• Citação de várias obras do mesmo autor
As construções metafóricas da linguagem; as indefinições; a presença da ironia e da sátira, evidenciando um confronto entre o sagrado e o profano; o enfoque das personagens em diálogo dúbio entre seus papéis principais e secundários são todos componentes de um caleidoscópio que põe em destaque o valor estético da obra de Saramago (1980, 1988, 1991, 1992).
• Citação de citação e
• Citação com mais de três linhas
Para servir de fundamento ao que se afirma, veja-se um trecho do capítulo XV da Arte Poética de Freire (1759, p.87 apud TEIXEIRA, 1999, p. 148):
Vê, […] o nosso entendimento que a fantasia aprendera e formara em si muitas imagens de homens; que faz? Ajunta-as e, de tantas imagens particulares que recolhera a apreensiva inferior [fantasia], tira ele e forma uma imagem que antes não havia, concebendo que todo o homem tem potência de rir (…)

Alguns exemplos de Referências Bibliográficas
. Livro
FABRIS, Annateresa. Futurismo: uma poética da modernidade. São Paulo: Perspectiva/ Ed. da Universidade de São Paulo, 1987.
. Capítulo de livro
PALO, Maria José. A crônica da vida: Memorial de Aires, Machado de Assis. In: OLIVEIRA, Maria Rosa Duarte de (Org.). Recortes Machadianos. São Paulo: EDUC/ FAPESP. 2003. p. 257-73.
. Dissertação e tese
MACHADO, Micheliny Verunschk Pinto. Confluências entre João Cabral de Melo Neto e Sophia de Mello Breyner Andresen: poesia das coisas e espaços. 2006. Dissertação de Mestrado – Programa de Estudos Pós-graduados em Literatura e Crítica Literária, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
. Artigo de periódico
GOBBI, M. V. Z. Relações entre ficção e história: uma breve revisão teórica. Itinerários, Araraquara, n. 22, p. 37-57, 2004.
. Artigo de jornal
TEIXEIRA, Ivan. Gramática do louvor. Folha de S. Paulo, São Paulo, 08 abr. 2000. Jornal de Resenhas, p.4.
. Trabalho publicado em anais
CARVALHAL, Tânia Franco. A intermediação da memória: Otto Maria Carpeaux. In: Anais do II CONGRESSO ABRALIC – Literatura e Memória Cultural. 1990. Belo Horizonte. p. 85- 95.
. Publicação On-line – INTERNET
MARTINHO, Fernando J.B. Depois do modernismo, o quê ? – o caso da poesia portuguesa. Rio de Janeiro: Revista Semear 4. Disponível em: http://www.letras.puc-rio.br. Acesso em 22 jun 2006.