EMENTA DO EVENTO: Este simpósio tem como objetivo pensar a problemática da mestiçagem desde a ótica Negra, Indígena, Branca e Mestiça, bem como refletir sobre as causas da sua presença em quase todos os âmbitos da cultura e da sua adoção por parte da comunidade intelectual Ocidental. Portanto, esta proposição do debate da mestiçagem admite diferentes pontos de vista de acordo com a perspectiva étnica adotada, e, além disso, coloca o problema de por que uma questão especificamente ibero-americana e, por extensão, de países que passaram por alguma forma de dominação colonial está ultrapassando os limites geográficos e culturais.

COORDENADOR: PROF. DR. RODRIGO VASCONCELOS MACHADO/UFPR

DE 6 A 9 DE NOVEMBRO DE 2018, CURITIBA/PR-BRASIL

 

IDIOMAS DO EVENTO: ESPANHOL E PORTUGUÊS

 

 

RESULTADOS ESPERADOS DO EVENTO: PUBLICAÇÃO COMPLETA EM E-BOOK DOS TEXTOS SELECIONADOS PELO COMITÊ CIENTÍFICO DO EVENTO COM ISBN E FICHA CATALOGRÁFICA.

APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÕES: EM ESPANHOL OU PORTUGUÊS. TITULAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA: MESTRADO NA ÁREA DE LETRAS E/OU HUMANAS [EM CURSO]. APRESENTAÇÃO INDIVIDUAL SEM CO-AUTORIA.

PESQUISADORES E PROFESSORES COM APRESENTAÇÃO DE COMUNICAÇÃO: [TITULAÇÃO MÍNIMA EXIGIDA: MESTRANDO]

OUVINTES: GRATUITO. INSCRIÇÃO NA ABERTURA DO EVENTO -75% DE FREQUÊNCIA

ENVIO DOS RESUMOS E INSCRIÇÃO DE OUVINTES PARA OS SEGUINTES EMAILS:

rvmachado@yahoo.com         e   machadeira@gmail.com

 

PRAZO PARA ENVIO DOS RESUMOS: 28 DE SETEMBRO.

 

ENVIO DOS TEXTOS COMPLETOS APRESENTADOS PARA PUBLICAÇÃO NA VERSÃO ELETRÔNICA: 01 DE DEZEMBRO.

 

PRAZO PARA ENVIO DOS TEXTOS SELECIONADOS :

20 DE DEZEMBRO.

Normas para os resumos:

  • Cada participante só poderá enviar uma proposta de comunicação;
  • Todos os autores devem ter conhecimento das normas, do conteúdo do resumo e concordar em ter seu nome inserido;
  • Antes que o resumo seja enviado, sugerimos que os autores façam rigorosa revisão gramatical, ortográfica, de digitação, de conteúdo e dados da pesquisa (incluindo título, nomes dos autores e demais dados), pois NÃO  será possível corrigir o resumo após seu envio. Os dados serão publicados exatamente como enviados;
  • O resumo poderá ser escrito em português ou espanhol;
  • Os resumos serão avaliados pela Comissão Científica e poderão ser recusados caso não atendam as exigências da proposta do evento;
  • A palavra “Resumo” em corpo 12, negrito e em maiúsculas, duas linhas abaixo do nome do autor/instituição e em nota de rodapé uma pequena biografia do autor/a com instituição, titulação, etc.  O texto-resumo deverá ser apresentado em itálico, corpo 12, com recuo de dois centímetros de margem direita e esquerda. O resumo deve ter no mínimo 8 linhas e no máximo 12.

 

 

Normas para os textos:

TAMANHO DE 13 A 20 PÁGINAS

TIMES NEW ROMAN 9

TÍTULO: NEGRITO, ITÁLICO, SEM CAIXA ALTA E CENTRALIZADO.

AUTOR: ALINHAMENTO À ESQUERDA SEM CAIXA ALTA COM A INSTITUIÇÃO DE ORIGEM. COLOCAR NOTA DE RODAPÉ COM UMA PEQUENA BIBLIOGRAFIA E TITULAÇÃO ACADÊMICA

CORPO DO TEXTO: PARÁGRAFOS 1,25. ESPAÇO SIMPLES.

RECUO À ESQUERDA: 2,5 cm

RECUO À DIREITA: 2,5 cm

NÃO INSERIR NÚMEROS DE PÁGINAS

Subtítulos: sem adentramento, em negrito, só com a primeira letra em maiúscula, numerados em algarismo arábico. A numeração não inclui a introdução, a conclusão e a referência bibliográfica;

Tabelas e ilustrações (fotografias, desenhos, gráficos etc.) devem vir dentro do padrão geral do texto e no espaço a elas destinados pelo autor. Recomenda-se o uso de imagens em 72 px de resolução. Evitar o uso de imagens em grandes dimensões;

Notas – devem ser evitadas. Quando necessário, devem aparecer ao pé da página, numeradas de acordo com a ordem de aparecimento. Corpo 8.

Ênfase ou destaques no corpo do texto – deve-se usar negrito. Para palavras em língua estrangeira, usar itálico.

Obras [teóricas, literárias, revistas, etc]: em Itálico no corpo do texto. Nas referências bibliográficas em itálico ou negrito.

Citações de até três linhas vêm entre aspas, (sem itálico), seguidas do sobrenome do autor (em maiúsculas), ano de publicação e página(s). Com mais de 3 linhas, vêm com recuo de 4,5 cm na margem esquerda, corpo menor (fonte 8), sem aspas, sem itálico e também seguidas do sobrenome do autor (em maiúsculas), ano de publicação e página(s). As citações em língua estrangeira devem vir em itálico e traduzidas em nota de rodapé.

Anexos devem ser evitados. Caso existam, devem ser colocados antes das referências bibliográficas, precedidos da palavra ANEXO, em maiúsculas e negrito, sem adentramento e sem numeração. Quando constituírem textos já publicados, devem incluir bibliografia completa bem como permissão dos editores para publicação. Recomenda-se que anexos sejam utilizados apenas quando absolutamente necessários.

Referências bibliográficas: devem ser apenas aquelas referentes aos textos citados no trabalho. As palavras REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS devem estar em maiúsculas, negrito, sem adentramento, duas linhas antes da primeira entrada.

Alguns exemplos de citações:

  • Citação direta com três linhas ou menos

(…) conforme Octavio Paz (1982, p.37), “As fronteiras entre objeto e sujeito mostram-se particularmente indecisas. A palavra é o próprio homem. Somos feitos de palavras. Elas são nossa única realidade, ou pelo menos, o único testemunho de nossa realidade”.

  • Citação indireta

(…) entre as advertências de Haroldo de Campos (1992) não há qualquer reivindicação de possíveis influência ou contágio, ao contrário, foi antes a poesia concreta que assumiu as conseqüência de certas linhas da poética drummoniana.

  • Citação de vários autores

Sobre a questão, pode-se recorrer a vários poetas, teóricos e críticos da literatura (POUND, 1977; ELIOT, 1991; VALÉRY, 1991; BORGES, 1998; CAMPOS, 1969).

  • Citação de várias obras do mesmo autor

As construções metafóricas da linguagem; as indefinições; a presença da ironia e da sátira, evidenciando um confronto entre o sagrado e o profano; o enfoque das personagens em diálogo dúbio entre seus papéis principais e secundários são todos componentes de um caleidoscópio que põe em destaque o valor estético da obra de Saramago (1980, 1988, 1991, 1992).

  • Citação de citação e
  • Citação com mais de três linhas

Para servir de fundamento ao que se afirma, veja-se um trecho do capítulo XV da Arte Poética de Freire (1759, p.87 apud TEIXEIRA, 1999, p. 148):

Vê, […] o nosso entendimento que a fantasia aprendera e formara em si muitas imagens de homens; que faz? Ajunta-as e, de tantas imagens particulares que recolhera a apreensiva inferior [fantasia], tira ele  (…)

 

Alguns exemplos de Referências Bibliográficas

.  Livro
FABRIS, Annateresa. Futurismo: uma poética da modernidade. São Paulo: Perspectiva/ Ed. da Universidade de São Paulo, 1987.

.  Capítulo de livro
PALO, Maria José. A crônica da vida: Memorial de Aires, Machado de Assis. In: OLIVEIRA, Maria Rosa Duarte de (Org.). Recortes Machadianos. São Paulo: EDUC/ FAPESP. 2003. p. 257-73.

.  Dissertação e tese
MACHADO, Micheliny Verunschk Pinto. Confluências entre João Cabral de Melo Neto e Sophia de Mello Breyner Andresen: poesia das coisas e espaços. 2006. Dissertação de Mestrado – Programa de Estudos Pós-graduados em Literatura e Crítica Literária, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

.  Artigo de periódico
GOBBI, M. V. Z. Relações entre ficção e história: uma breve revisão teórica. Itinerários, Araraquara, n. 22, p. 37-57, 2004.

.  Artigo de jornal
TEIXEIRA, Ivan. Gramática do louvor. Folha de S. Paulo, São Paulo, 08 abr. 2000. Jornal de Resenhas, p.4.

.  Trabalho publicado em anais
CARVALHAL, Tânia Franco. A intermediação da memória: Otto Maria Carpeaux. In: Anais do II CONGRESSO ABRALIC – Literatura e Memória Cultural. 1990. Belo Horizonte. p. 85- 95.

.  Publicação On-line – INTERNET
MARTINHO, Fernando J.B. Depois do modernismo, o quê ? – o caso da poesia portuguesa.  Rio de Janeiro: Revista Semear 4. Disponível em: http://www.letras.puc-rio.br. Acesso em 22 jun 2006.

 

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA:

 

BIBLIOGRAFIA BÁSICA: ABDALA Junior, Benjamin (org.). Margens da cultura – mestiçagem, hibridismo e outras misturas. São Paulo, Boitempo Editorial, 2004. ABDALA Junior, Benjamin (org.). De vôos e ilhas – literatura e comunitarismos. São Paulo, Ateliê Editorial, 2003. ABDALA JUNIOR, Benjamin. Fronteiras múltiplas, identidades plurais: um ensaio sobre mestiçagem e hibridismo cultural. São Paulo, SENAC, 2002. ALENCAR, José de. O guarani. São Paulo, FTD, 2000. ALMEIDA, José Evaristo de. O escravo. Lisboa, 1856. AMSELLE, Jean-Loup. Logiques métisses. Anthropoligie de l’identité en Afrique et aillers. Paris, Payot, 1990. ANDRADE, Mário de. Macunaíma. Belo Horizonte / Rio de Janeiro, Vila Rica Editora, 2000. ANDRADE, Maristela Oliveira de. 500 anos de catolicismos e sincretismos no Brasil . João Pessoa: Ed. Universitária/UFPB, 2002. BAUBÉROT, Jean. História do protestantismo. M. Martins, Publicações Europa-América, s.d. BETHENCOURT, Francisco. História das inquisições – Portugal, Espanha e Itália – séc. XV-XIX. São Paulo, Companhia das Letras, 2000. BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2001. BOSI, Alfredo. Dialética da colonização. São Paulo: Companhia das Letras, 1992. CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas. São Paulo, Edusp, 2000. CANDIDO, Antonio. “Literatura e subdesenvolvimento”. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo, Editora Ática, 1987. CANDIDO, Antonio. O método crítico de Sílvio Romero. São Paulo, Edusp, 1988. CANDIDO, Antonio. Teresina etc. São Paulo, Paz e Terra, 1992. CASTRO, Eduardo Viveiro de. “O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem”. In: Revista de Antropologia, vol.35, 1992, p.21-74. CUCHE, Denis. A noção de cultura nas ciências sociais. Bauru, Edusc, 2002. CUNHA, Euclides da. Os sertões – campanha de Canudos. São Paulo, Francisco Alves / Publifolha, 2000 (estabelecimento de texto de Anamaria Skinner). DEVI, Vimala, & SEABRA, Manuel de. A literatura indo-portuguesa. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 2 v., 1971. FERRETTI, Sérgio Figueiredo. Repensando o sincretismo. São Paulo, Edusp/Fapema, 1995. FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro: Maia & Schmidt, 1933. FREYRE, Gilberto. Interpretação do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 2001. GOMES, Francisco Luiz. Os brahamanes. Lisboa, Typographia da Gazeta de Portugal, 1866. GRUZINSKI, Serge. O pensamento mestiço. São Paulo, Cia. Das Letras, 2001. HOBSBAWM, Eric J. Nações e nacionalismo desde 1780 (trad. De Maria Celia Paoli e Anna Maria Quirino). Editora Paz e Terra, São Paulo, 1991. HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 5.ed. Rio de Janeiro, José Olympio, 1969. KUPER, Adam. Cultura – a visão dos antropólogos. Bauru, Edusc, 2002. LEITE, Serafim. Breve história da Companhia de Jesus no Brasil. 1549-1760. Braga, Livraria A.I., 1993. LOCKE, John. Carta sobre a tolerância (tradução Berta Bustorff Silva, introdução e análise de Marcello Fernandes e Nazaré Barros). Lisboa, Lisboa Editora. MACHADO DE ASSIS. J. M. “Literatura brasileira: instinto de nacionalidade”. In Critica literária. Rio de Janeiro: Jackson, 1955, p.129-136. MELLO e SOUZA, Gilda de. O tupi e o alaúde – uma interpretação de Macunaíma. São Paulo, Duas Cidades, 1979. MOREIRA, Adriano, VENÂNCIO, José Carlos (orgs.). Luso-tropicalismo – uma teoria social em questão. Lisboa, Vega, 2000. MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil. Petrópolis, Vozes, 1999. PEREIRA, Carlos Lopes. “Cabo Verde: resistência e formação da consciência nacional”. In: I Reunião Internacional de História de África – Relação Europa-África no 3. Quartel do século XIX. Lisboa, Instituto de Investigação Científica Tropical / Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga, 1989, p. 573-579. RAMA, Ángel. Angel Rama – literatura e cultura na América Latina. (org. Flávio Aguiar & Sandra Vasconcelos). São Paulo, Edusp, 2001. REGO, A. da Silva. O padroado português do Oriente. Esboço histórico, Lisboa: AGC, 1940. RIBEIRO, João Ubaldo. Viva o povo brasileiro. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1984. ROSA, Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro , Nova Fronteira , 1986. SAID, Edward. Orientalismo – O oriente como invenção do Ocidente. São Paulo, Companhia das Letras, 1996. SCHUARZ, Roberto. Sequências brasileiras. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. SCHWARCZ, Lília Moritz. O espetáculo das raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil 1870-1930. São Paulo, Companhia das Letras, 2004. SUASSUNA, Ariano. O romance d’A Pedra do Reino. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1977. TODOROV, Tzvetan. A conquista da América. Lisboa, Edições Litoral, 1990. VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios – catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. VIVEIROS DE CASTRO, E. “O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem”. Revista de Antropologia, USP, vol. 35, 1992 (21-74). WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo, Livraria Pioneira Editora, 1967. BIBLIOGRAFIA GERAL: ABDALA Júnior, Benjamin. Literatura, história e política. São Paulo, Editora Ática, 1989. AHMAD, Aijaz. Linhagens do presente. São Paulo, Boitempo Editorial, 2002. ALMEIDA, Carlos José Duarte. “A Companhia de Jesus em Cabo Verde (1604-1642)”. In: Povos e Culturas, 1998, n.6, p. 535-573. ALMEIDA, Pedro Ramos de. História do colonialismo português em África: cronologia – século XIX. Lisboa, Editorial Estampa, 1979. ALVES FILHO. A. pensamento político no Brasil. Manoel Bomfim: um ensaísta esquecido. Rio de Janeiro: Achiamé/Socii, 1979. ANDRADE, Mário Pinto de. Origens no nacionalismo africano. Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1997. ARAÚJO, R. B. de. Guerra e paz. Casa-grande & senzala e a obra de Gilberto Freyre nos anos 30. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994. AZEVEDO, Rafael Ávila de. A influência da cultura portuguesa em Macau. Lisboa, Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1984. BANGERT, William. História da Companhia de Jesus. Porto, Apostolado da Imprensa, 1985. BASTOS, E. R. Gilberto Freyre e a formação da sociedade brasileira. Tese de doutorado. Programa de Estudos Pós-graduados em Ciências Sociais, PUC-SP, 1986. BASTOS, E. R., MORAES, J. Q. de. (orgs.). O pensamento de Oliveira Vianna. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993. BAYLY, Christopher. The Birth of the Modern World. Ed. Blackwell, 2004. BERNARD, Carmen, GRUZINSKI, Serge. “Mestizos, mulatos y ladinos en Hispano-américa: un enfoque antropológico y un proceso histórico”, datil., 1998. BERND, Zilá. Negritude e literatura na América Latina. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1987. BETHELL, Leslie. História da América Latina. Da independência até 1879. São Paulo, Edusp, Imprensa Oficial do Estado, Funag, v.3, 2001 (trad. de Maria Clara Cescato). BHABHA, Homi K. (editor). Nation and Narration. Routledge, Londres, 1990; BROOKSHAW, David. Raça e cor na literatura brasileira. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983. BURITY, Glauce Maria Navarro. A presença dos franciscanos na Paraíba através do convento de Santo Antônio. Rio de Janeiro, Bloch, 1988. CANDIDO, Antonio. “Literatura e subdesenvolvimento”. In: A educação pela noite e outros ensaios. São Paulo, Editora Ática, 1987, p.140-162. CANDIDO, Antonio. 2.ed. Formação da literatura brasileira. São Paulo, Editora Martins, 2 v., 1964. CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1985. CARRIZO, Silvina. Fronteiras da imaginação – os românticos brasileiros: mestiçagem e nação. Niterói, Ed. UFF, 2001. 174p. (Coleção Ensaios). CARVALHO, Rómulo de. História do ensino em Portugal. Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1986. CHAMOISEAU, P. Écrire en pays dominé. Paris : Gallimard, 1997. P.200. CHAVES, Rita. Entre intenção e gestos – a formação do romance angolano. Universidade de São Paulo, Tese de Doutorado, FFLCH, 1993. CORRÊA, Mariza. As ilusões da liberdade: a Escola Nina Rodrigues e a antropologia no Brasil. Bragança Paulista, Edusf, 1998. CORREIA, Francisco Augusto da Cruz. O método missionário dos jesuítas em Moçambique 1881-1910. Um contributo para a história da missão da Zambézia. Braga: Apostolado da Imprensa, 1992. COSTA, Sérgio (2001a). “A mestiçagem e seus contrários: etnicidade e nacionalidade no Brasil contemporâneo”. Tempo Social, vol. 13, nº 1. COSTA, Sergio. “Etnicidade como identidade pós-nacional. A etnicização das identidades políticas e o fim da mestiçagem no Brasil”. Paper preparado para o VI Encontro Luso-afro-brasileiro de Ciências Sociais. Porto, set. 2000. DEANE, Seamus (editor). Nationalism, Colonialism and Literature. University of Minnesota Press, Minneapolis, 1992. DEVI, Vimala, & SEABRA, Manuel de. A literatura indo-portuguesa. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 2 v., 1971. Diccionario histórico de la Compañia de Jesús. Charles E. O’Neill, S.I. e Joaquín M.ª Domínguez, S.I. (ed.). Roma – Madrid, Institutum Historicum S.I. – Universidad Pontificia Comillas, 2001 (4 vol.). FAORO, Raymundo. Os donos do poder. São Paulo, Editora Globo / Publifolha, 2000, 2 v. FERREIRA, Manuel. A aventura crioula. 2.ed. Lisboa, Plátano Editora, 1973. FRANÇA, José Augusto. O romantismo em Portugal – estudos de factos socioculturais. Lisboa, Livros Horizonte, 1993. FREYRE, Gilberto. Sobrados e mucambos. São Paulo, Editora Global, 2003. FUMIAN, Carlo. Verso una società planetaria. Ed. Donzelli, 2003. FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. São Paulo, companhia Editora Nacional / Publifolha, 2000. GELNEER, Ernest. Relativism and the social sciences. Cambridge, Cambridge University Press, 1985. GLISSANT, Edouard. Poétique de la relation. Paris, Gallimard, 1990. GONÇALVES, Manuel Pereira. “Presença franciscana na Índia no século XVI”. In ALBUQUERQUE, Luís de (ed.), Portugal no Mundo, vol. III, Lisboa: Alfa, 1990, 104-134. GONÇALVES, Nuno da Silva. Os jesuítas e a missão de Cabo Verde(1604-1642). Lisboa, Ed. Brotéria, 1996. GRACIAS, José António Ismael. A imprensa em Goa nos séculos XVI, XVII e XVIII. Nova Goa, Imprensa Nacional, 1880. GUIMARÃES, A. S., HUNTLEY L. (orgs.). Tirando a máscara – ensaios sobre o racismo no Brasil. São Paulo, Paz e Terra. GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. “Racismo e anti-racismo no Brasil”. Novos Estudos, n.43, 1995. GUIMARÃES, Antonio Sérgio Alfredo. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo, Editora 34, 1999. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. (trad. Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro). Rio de Janeiro: DP & A, 1998. HERBERT, Christopher. Culture and anomie. Ethonographic imagination in the nineteenth century. Chicago/Londres, Chicago University Press, 1991. HOLANDA, Sergio Buarque de. Caminhos e fronteiras. Rio de Janeiro, Editora José Olimpio, 1957. HOLANDA, Sergio Buarque de. Capítulos de literatura colonial. São Paulo, Editora Brasiliense, 1991 (org. e intr. de Antonio Candido). HOLANDA, Sergio Buarque de. Visão do paraíso – os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. São Paulo, Editora Brasiliense / Publifolha, 2000. HUTCHINSON, John & SMITH, Anthony (1994). Ethnicity. Oxford, Oxford University Press. JAMESON, Fredric. A cultura do dinheiro: ensaios sobre a globalização. Petrópolis. Editora Vozes, 2001. LEITE, Dante Moreira. O caráter brasileiro – história de uma ideologia. 6.ed. (rev.) São Paulo, Editora Unesp, 2002. LEITE, Serafim. História da Companhia de Jesus no Brasil Lisboa, Liv. Portugália; Rio de Janeiro, Instituto Nacional do Livro – Liv. Civilização Brasileira, 1938-1950 (10 tomos). LESSER, J. Negociating the National Identity. Immigrations, Minorities and the Struggle for Ethnicity in Brazil. Durham, Duke Univ. Press, 1999. LIMA, Oliveira. Formação histórica da nacionalidade brasileira. São Paulo, Top Books / Publifolha, 2000. LOPES, António. A primeiríssima casa da Companhia de Jesus no mundo e a expansão missionária de Portugal. [Lisboa] Secretariado Nacional das Comemorações dos 5 Séculos, 1994. LOPES, Oscar e SARAIVA, Antonio José. (11 ed. cor. e atual.) História da literatura portuguesa, Porto, Porto Editora, 1979. LUCAS, Maria Manuela. “Organização do império”. In: MATTOSO, José. História de Portugal. Lisboa, Editorial Estampa, [1993], v.5, O Liberalismo (coord. de Luís Reis Torgal e João Roque), p.285-314. MACHADO, Manuel Álvaro. Les romantismes au Portugal – modeles etrangers et orientations nationales. Paris, Fondation Calouste Gulbenkian, Centre Culturel Portugais, 1986. MATA, Roberto da. A casa & a rua. Espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro, Editora Guanabara, 1987. MEDEIROS, Eduardo. “Etnias e etnicidade em Moçambique – o advento do mundo Sena – das origens a 1918”. O desafio africano. (org.) José Carlos Venâncio. Lisboa, Vega, 1997, p.59-82. MERQUIOR, José Guilherme. De Anchieta a Euclides. Breve história da literatura brasileira. Rio de Janeiro, José Olympio, 1977. MOTA, Carlos Guilherme (org.). Ideologia da cultura brasileira (1933-1974). São Paulo: Ática, 1977. MOTA, Lourenço Dantas (org.). Banquete nos trópicos 2. São Paulo, Editora Senac, 2004. MOTA, Lourenço Dantas (org.). Introdução ao Brasil – um banquete no trópico. São Paulo, Editora Senac, 1999. NABUCO, Joaquim. O abolicionismo. São Paulo, Editora Nova Fronteira / Publifolha, 2000. NOVAES, Adauto (org.). A descoberta do homem e do mundo. São Paulo, Minc-Funarte / Companhia das Letras, 1998. NÓVOA, Antônio et alii. Para uma história da educação colonial. Sociedade Portuguesa de Ciências da Educação, Porto e Lisboa, 1996. OLIVEIRA VIANNA, Francisco J. Evolução do povo brasileiro. São Paulo, Monteiro, 1923. OLIVEIRA, J.P. Bacelar e. “Arrest, Spoliation and Exile of the Goa Jesuits According to Father Caeiro’s ‘De Exilio'”, in SOUZA, Teotónio R. de (ed.), Indo-Portuguese History. Old Issues, New Questions (3 th ISIPH ), New Delhi: Concept, 1985, 123-132. PALM, Erwin Walter. “El sincretismo emblemático de los Triunfos de la Casa del Déan en Puebla”. Comunicaciones – Proyecto Puebla-Tlaxcala. Fundación Alemana para la Investigación Cinetífica, Puebla, 1973, t.VIII, p.57-62. PELISSIER, René. História de Moçambique – formação e oposição 1854-1918. Lisboa, Editorial Estampa, 1994. PHELAN, John. El reino milenario de los franciscanos en el Nuevo Mundo. México, UNAM, 1972. PRADO Junior, Caio. Formação do Brasil contemporâneo – colônia. São Paulo, Editora Brasiliense / Publifolha, 2000. QUEIRÓS, Eça de. “A marinha e as colonias”, Uma campanha alegre. Lisboa, Companhia Nacional Editora, v.1, 1890. RAMA, Angel. Transculturacion narrativa en América Latina. Siglo XXI Editores, México, 1982. RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro – a formação e o sentido do Brasil. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. RODRIGUES, Francisco. História da Companhia de Jesus na Assistência de Portugal. Porto, Apostolado da Imprensa, 1931-1950 (4 tomos). SILVA, António da. Mentalidade missiológica dos jesuítas em Moçambique antes de 1759. Lisboa, Junta de Investigações do Ultramar, 1967 (2 vol.). ROMERO, Ignacio Osorio. Colegios y profesores jesuitas que enseñaron latín en Nueva España (1572-1767). México, UNAM, Instituto de Investigaciones Filológicas, 1979. ROMERO, Ignácio Osorio. La enseñanza de latín a los indios. México, UNAM, 1997. ROMERO, Sílvio. “Mestiçagem e literatura nacional. Gregório de Matos”. In: CANDIDO, A.(org.) Silvio Romero. Teoria, crítica e história literária. Petrópolis: Vozes, 1978. ROMERO, Sílvio. História da literatura brasileira. 5.ed. Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1953-1954, 5 v. ROWBOTHAM, A.H. Missionary and Mandarin. The Jesuits at the Court of China, 1942. SAID, Edward. Cultura e imperialismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1999. SANSONE, Livio. “As relações raciais em Casa Grande & Senzala revisitadas à luz do processo de internacionalização e globalização”. In M. C. Maio & R. V. Santos (orgs.), Raça, ciência e sociedade. Rio de Janeiro, Fiocruz/CCBB, 1996, p. 207-218. SANTIAGO, Silviano. [Orelha de livro] . In: CANCLINI, Nestor Garcia. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 1995. SANTIAGO, Silviano. “Elogio da tolerância racial”. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 9 set. 1990. Idéias/Livros, p.8-11. SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos; ensaios sobre dependência cultural. Perspectiva: Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1978. SANTOS, Maria Emília Madeira (org.). I Reunião Internacional de História de África – relação Europa-África no 3o. quartel do século XIX – Actas. Lisboa, Centro de Estudos de História e Cartografia Antiga, Instituto de Investigação Científica e Tropical, 1989. SCHWARCZ, Lília Moritz. “Nem preto, nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na intimidade”. História da vida privada. São Paulo, Companhia das Letras, v. 4. SCHWARCZ, Lília Moritz. Retrato em branco e preto – jornais, cidadãos e escravos – século XIX. São Paulo, Companhia das Letras, 1989. SCHWARZ, R. Um mestre na periferia do capitalismo – Machado de Assis. São Paulo: Duas Cidades, 990. SERRÃO, Joel, MARQUES, A. H. de Oliveira. Nova história da expansão portuguesa – O império africano. Lisboa: Editorial Estampa, v. X (1825-1890), 1998 (coord. Valentim Alexandre e Dill Dias) e v. XI (1890-1930), 2001 (coord. A. H. de Oliveira Marques). TAVARES, Célia Cristina da Silva. “Mediadores culturais: jesuítas e a missionação na Índia (1542-1656)”, In: Revista Acervo – Religião, revista do Arquivo Nacional do Rio de Janeiro, p.173-190. THOMAZ, Luís Filipe Reis, “O cristianismo e a tradição pagã na Índia Portuguesa”, in Actas do Congresso Internacional de Etnografia de Santo Tirso, vol. IV, 1963. TURGEON, L. Regards croisés sur le métissage. Presses de L’universite Laval 2003. TURGEON, L. Patrimoines métisses – contextes coloniaux et postcoloniaux. Maison des Sciences de L’homme, 2003. TURGEON, L., DESDOUITS, A. M. Ethnologies francophones de l’amerique et d’ailleurs. Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales,1998. VAINFAS, Ronaldo. A heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo, Cia. das Letras, 1995. VOLTAIRE. Tratado da tolerância. Editora Antígona, 1999. WAGNER, Roy. L’invenzione della cultura. Milão, Mursia, 1992. WIEVIORKA, Michel “Contextualizing French Multiculturalism and Racism”. Theory, Culture and Society, vol 17, 1999, n.1. WITTKOWER, Rudolf. Allegory and the migration of symbols. New York, Thames and Hudson, 1987. YUDICE, George. Conveniência da cultura – os usos da cultura na era global. Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2005. ZARUR, George de Cerqueira Leite. A utopia brasileira: povo e elite. Brasília, Abapé, 2004. ZERON, Carlos. La Compagnie de Jésus et l’instituition de l’esclavage au Brésil: les justifications d’ordre historique, théologique et juridique, et leur intégration dans une mémoire historique (XVIè-XVIIè siècles). Tese de doutorado em História. Paris, EHESS, 1998 (datil.).

 

 

 

 

Advertisements